Ir para o conteúdo

sexta-feira, 14 de junho de 2024

Artigos

Junho laranja: mês de conscientização sobre a leucemia e a anemia

A campanha Junho Laranja foi criada para alertar a população sobre duas doenças importantes que envolvem o sangue, a anemia e a leucemia. Nos dois casos, o diagnóstico precoce aumenta as chances de controle da doença e cura.

Também conhecida como câncer no sangue, a leucemia tem como principal característica o acúmulo de células doentes na medula óssea (onde o sangue é fabricado), que substituem as células normais do sangue. Trata-se do tipo de câncer mais comum da infância, mas que também ocorre em adultos.

Segundo dados do INCA (Instituto Nacional de Câncer), 10.810 novos casos de leucemia serão diagnosticados no Brasil este ano.

Existem vários tipos leucemia, classificadas com base em seu desenvolvimento (agudas ou crônicas) e de acordo com o tipo celular afetado (linfoides ou mieloides). Os pacientes com leucemias crônicas (de crescimento lento) geralmente não apresentam sintomas abruptos. Já os pacientes com leucemias agudas (de crescimento rápido) geralmente apresentam sintomas que se agravam em um curto intervalo de tempo.

Os principais sintomas da leucemia são anemia, baixa imunidade, sangramentos, manchas roxas na pele, gânglios inchados, geralmente indolores, principalmente no pescoço e nas axilas, febre e suores noturnos, perda de peso sem motivo aparente, desconforto abdominal, aumento do volume do abdomen e dores nos ossos e nas articulações.

Anemia – Considerada um problema de saúde pública, a anemia acomete cerca de 30% da população do planeta (cerca de 2,2 bilhões de pessoas), de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

É caracterizada pela redução de hemoglobina no sangue, substância que carrega o oxigênio para todas as células do corpo.

A anemia mais frequente deve-se à deficiência de ferro (anemia ferropriva), que corresponde a cerca de 90% dos casos. Os mais afetados são mulheres em idade fértil, gestantes, idosos, crianças e adolescentes em fase de crescimento, além de pessoas que fizeram cirurgia de redução de estômago.

Leila Pessoa de Melo, hematologista

Compartilhe: