Ir para o conteúdo

quarta-feira, 19 de junho de 2024

Artigos

Jesus, Pastor e Porta

É dura a crítica de Jesus às lideranças de seu tempo. Em vez de servir o povo, abrindo-lhe perspectivas de vida, elas o haviam aprisionado em instituições políticas e religiosas que serviam, sobretudo, para manter privilégios. Para Jesus, líderes assim nunca foram e nunca serão pastores, mas apenas “ladrões e assaltantes”, que vêm para “roubar, matar e destruir”. Ele mesmo diz, aliás: “Todos os que vieram antes de mim são ladrões e assaltantes”. Pois, ao procurar somente os próprios interesses, fracassaram na missão de conduzir o povo pelos caminhos da vida que Deus deseja.
É um alerta contra toda tentativa de usar o povo e causar-lhe sofrimento em benefício próprio. Alerta válido para todos, mas sobretudo para autoridades civis e religiosas, cujo poder só pode ser exercido genuinamente como serviço que defende e promove o bem comum. E o bem comum, nós o sabemos, requer dedicação especial aos mais pobres e sofredores.
Jesus se apresenta como o Pastor autêntico, aquele que o Pai envia para cuidar das ovelhas, o povo querido de Deus. Com efeito, diferentemente dos que roubam e usam o povo, Jesus vem para servir e dar a vida, chamando pelo nome, ou seja, superando todo anonimato. ele se deixa conhecer, para que aqueles que são seus não sejam enganados por líderes perversos.
Jesus nos impulsiona a viver relações verdadeiras e sinceras, que nos formam como cristãos comprometidos na comunidade. A comunidade cristã não é um amontoado de anônimos, mas comunhão de gente que se conhece, se respeita, se ajuda e se compromete com um mundo livre e solidário. O anonimato abafa a voz do único Pastor e deixa as comunidades de fé entregues a tantas outras vozes.
Jesus também se apresenta como a Porta para as ovelhas. Ele é a passagem para os que desejam a liberdade de entrar, sair e encontrar pastagens de vida abundante. Como dirá mais adiante no Evangelho, ele mesmo é o “Caminho, a Verdade e a Vida”, ou “o verdadeiro caminho para a vida”.

 

(Por: Paulo Bazaglia, ssp)

Compartilhe: