Ir para o conteúdo

segunda-feira, 26 de fevereiro de 2024

Artigos

Jesus ensinou a importância de sinais e símbolos

O evangelho de hoje (Marcos 8,22-25), narra uma cena pra lá de esquisita, mas que termina com a cura de um cego. Assim: “Jesus e seus discípulos chegaram a Betsaida. Algumas pessoas trouxeram-lhe um cego e pediram a Jesus que tocasse nele. Jesus pegou o cego pela mão, levou-o para fora do povoado, cuspiu nos olhos dele, colocou as mãos sobre ele, e perguntou: “Estás vendo alguma coisa?” O homem levantou os olhos e disse: “Estou vendo os homens. Eles parecem árvores que andam”. Então Jesus colocou de novo as mãos sobre os olhos dele e ele passou a enxergar claramente. Ficou curado, e enxergava todas as coisas com nitidez.”
O que comentamos aqui hoje é este modo de abordagem do homem, por Jesus, que “cospe” em seus olhos, em um lugar afastado das pessoas que o levaram e pediram a cura. É verdade que outras traduções da Bíblia suavizam o verbo “cuspir”, traduzindo o ato como Jesus usando saliva e tocando com ela os olhos do cego. Não que seja fundamental saber como foi de fato, porque o importante é a cura e seu significado. No grego koiné, o autor usou o termo πτύσας (ptísas) = cuspir; São Jerônimo, para a Vulgata, traduziu este termo com “expuens” = cuspindo.
Temos uma definição dos Sacramentos assim: são sinais visíveis que realizam o que significam. É assim o que a Igreja nos ensina no Catecismo (CIC), nos parágrafos 1145 a 1149, mostrando que foi o que Jesus nos transmitiu: com gestos, toques, imposição das mãos e outros atos. Na liturgia, se aprendemos, praticamos: com água, óleo, pão, vinho, imposição das mãos, toques, gestos rituais etc.
A cura do cego se dá em duas etapas: na primeira, só com saliva (divina!), Jesus mostra a realidade da Salvação, da verdadeira cura, oferecida a todos, mas muitos têm enorme dificuldade de vê-lo. Enxergam a natureza, as pessoas… tudo embaçado, confuso. Mas numa segunda etapa, quando Jesus toca nos olhos de quem quer de fato ver, a cura se dá por completo.
E aí? Jesus já tocou nos seus olhos?

Compartilhe: