Ir para o conteúdo

sexta-feira, 19 de julho de 2024

Artigos

Inteligência Artificial: servidão ou liberdade?

Com a inclusão social, as ferramentas de inteligência artificial, que poderiam sacrificar enormes contingentes humanos, transformam-se em instrumentos de emancipação humana

A Humanidade tem experimentado um acelerado progresso tecnológico decorrente da acumulação de saberes, tradicionais e inovadores que, somados, evoluem para novas e disruptivas opções para o desenvolvimento da vida humana. Essas alternativas inovadoras, contudo, ainda não são universais, isto é, ainda são exclusivas de minorias; enquanto a maioria da população padece de severos desafios e grandes incertezas quanto ao futuro ainda persistem.
É nesse contexto que têm evoluído em popularidade e eficiência os aparatos de Inteligência Artificial: ao mesmo tempo em que podem determinar vastíssimos contingentes de desemprego e pobreza, podem liberar e emancipar as individualidades humanas para cargos e trabalhos criativos, em que a razão é temperada pela emoção, e a sensibilidade se materializa em diversas inovações econômicas e sociais.
Para que a onda tecnológica seja concretizada em emancipação humana, a Educação Inclusiva deve ser implementada. Uma educação que seja acessível a todas as pessoas que, de alguma maneira, enfrentam barreiras e obstáculos. Deficiências presentes no ambiente e nas estruturas sociais — mas jamais nas pessoas –, são, majoritariamente, os preconceitos de raça, condição social, origem, gênero, opção sexual, religiosidade e diversidade funcional.
A interação nos ambientes educacionais dessa ampla pluralidade de indivíduos transforma os pretensos limites em capacidades, e, ao mesmo tempo, estimula as habilidades emocionais e interpessoais de todos. Ou seja, a inclusão é uma ferramenta poderosa no desenvolvimento das capacidades criativas e sensíveis de todos os seres humanos.
Com a inclusão social, as ferramentas de inteligência artificial, que poderiam sacrificar enormes contingentes humanos que estão nas masmorras da miséria, transformam-se em instrumentos de emancipação humana, libertando a todos nós para os voos da criatividade, inovação e prosperidade!

 

 

 

 

André Naves é defensor
público federal, especialista
em Direitos Humanos e Inclusão
Social e mestre em Economia Política

Compartilhe: