Ir para o conteúdo

segunda-feira, 24 de junho de 2024

Artigos

Inspirada pela Fratelli Tutti, a “Campanha para a Evangelização 2022” vai incentivar a Cultura do Encontro

No último domingo (20), data em que a Igreja celebrou Cristo Rei, teve início a Campanha para Evangelização 2022 promovida pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e pelas dioceses e Igrejas particulares da Igreja no Brasil.
Com o tema “Evangelizar: graça e missão que se dá no encontro”, a iniciativa busca mobilizar os católicos para a corresponsabilidade na sustentação das atividades evangelizadoras da Igreja e tem como ponto alto a coleta realizada nas comunidades, no 3º Domingo do Advento, este ano, nos dias 10 e 11 de dezembro.
O tema desta edição está em sintonia com o 3º Ano Vocacional celebrado pela Igreja no Brasil de 20 de novembro de 2022 a 26 de novembro de 2023, com o tema “Vocação: Graça e Missão”. A reflexão proposta para esta Campanha para a Evangelização recorda que evangelizar é a vocação da Igreja e, nela, a vocação de cada batizado, discípulo missionário de Jesus Cristo. “Essa vocação é dom e compromisso, ou seja, é graça e missão, a qual se realiza no encontro interpessoal, intercomunitário, intergeracional, etc.”, destaca um trecho do texto-base.
A Campanha da Evangelização foi criada pela CNBB em 1998 e busca mobilizar os católicos para que assumam a corresponsabilidade na sustentação das atividades evangelizadoras da Igreja. Ela ocorre a partir do Domingo de Cristo Rei até o 3º Domingo do Advento, celebrado neste ano em 11 de dezembro.
A distribuição dos recursos é feita da seguinte forma: 45% do montante arrecadado permanecem na diocese para subsidiar a ação missionária, evangelizadora e pastoral da própria Igreja local; 20% do total arrecadado são encaminhados para os regionais da CNBB, com a mesma finalidade, sustentar as estruturas regionais de evangelização; e os demais 35% destinam-se à CNBB nacional, de forma a garantir iniciativas e estruturas evangelizadoras em todo o Brasil, especialmente nas regiões mais carentes.
Fonte: CNBB

Compartilhe: