quarta-feira, 21 de outubro de 2020

Artigos

INFLUENZA EM TEMPOS DE COVID-19

Algumas similaridades entre a COVID-19, causada pelo vírus SARS-CoV-2 e a gripe “comum” causada pelo vírus Influenza, têm dificultado o trabalho das entidades voltadas à saúde pública e o combate à pandemia.
Ambos os vírus levam a patologias respiratórias, mas existem importantes diferenças na evolução e propagação dos casos. A identificação dessas peculiaridades é essencial para que o sistema de saúde possa planejar e executar ações de prevenção e controle direcionados a cada vírus.
As manifestações relacionadas à presença dos vírus SARS-CoV-2 e Influenza são semelhantes, desde quadros assintomáticos, até problemas respiratórios graves e óbito.
O intervalo serial, definido como a duração do tempo entre um paciente-caso primário (infectante) com início dos sintomas e um paciente-caso secundário (infectado) com início dos sintomas, da COVID-19 é de 5 a 6 dias, enquanto do vírus Influenza é 3 dias. Isso significa que este último pode se propagar mais rapidamente
Em relação à COVID-19, pesquisas sugerem que 80% dos infectados apresentam sintomas leves ou são assintomáticos, 15% são infecções graves e requerem oxigênio e 5% são infecções críticas, que requerem ventilação. Os números de infecção graves e críticas seriam maiores que as observadas para infecção por Influenza.
Com relação a grupos de maior risco, para Influenza, são as crianças, gestantes, idosos, pessoas com doenças crônicas e imunossuprimidos; enquanto para a COVID- 19, o atual entendimento é que a idade avançada e condições crônicas pré-existentes (diabetes, obesidade, hipertensão, patologias respiratórias, entre outras) aumentem as chances de infecções graves.
Atualmente, ainda não há vacina ou medicamento autorizados para COVID-19, por isso, respeitar o isolamento, lavar sempre as mãos, usar máscara e álcool gel são os melhores mecanismos para evitar a infecção. A prevenção também se aplica ao vírus Influenza, mesmo existindo vacinas (que não previnem contra todos os tipos de vírus) e medicamentos profiláticos para alívio dos sintomas.
Previna-se e evite contato com essas duas doenças!

Felipe Infante
Yunes Henrique Foleto Matareli
Curso de Farmácia
Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos

Compartilhe: