Ir para o conteúdo

sábado, 27 de novembro de 2021

Artigos

Infarto: doença do estilo de vida?

Olá!
O infarto do miocárdio é o resultado da obstrução de uma artéria que leva o sangue para o coração e com isso as células do músculo cardíaco começam a morrer. Mas quais seriam os fatores que aumentam o risco de infarto? Entre os principais estão pressão alta, diabetes, colesterol alto e tabagismo.
Apesar da possibilidade de controle e tratamento, esses quatro fatores são altamente prevalentes na população brasileira: 40% da população possui colesterol alto, cerca de 28% apresenta hipertensão e 15% diabetes – lembrando que muitas vezes, o paciente possui mais de um desses problemas. Estes decorrem em boa medida de sedentarismo e má alimentação, ou seja, do estilo de vida – a forma como a pessoa se comporta e faz escolhas.
Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), atualmente 23% dos adultos não são praticantes de qualquer atividade física. Esse estilo de vida traz muitos riscos à saúde e é um fator modificável. Doenças crônicas como obesidade, diabetes, doenças cardíacas, AVC, falta de força muscular e óssea são alguns dos resultados da vida sedentária. Os efeitos positivos da prática de exercícios físicos de 30 a 60 minutos por dia na frequência de cinco vezes por semana começam a ser sentidos pelo organismo em 12 semanas.
A alimentação é outro fator modificável para prevenir os fatores que levam ao infarto. Hábitos nutricionais como o baixo consumo de frutas e hortaliças e o consumo excessivo de alimentos industrializados com alto teor de sódio e açúcar resultam no aumento dos casos de sobrepeso, obesidade, hipertensão arterial e colesterol alto.
Portanto, desenvolver hábitos saudáveis pode prevenir doenças e, consequentemente, o infarto agudo do miocárdio. Mas lembre-se de fazer uma avaliação cardiológica.
Um ótimo domingo e até o próximo!

Daniele Rezek
Cardiologista
CRM 145.887
RQE 64.850

Compartilhe: