Ir para o conteúdo

quarta-feira, 28 de fevereiro de 2024

Artigos

Igreja = Comunidade de comunidades

Atuando em favor do progresso da humanidade, a Igreja, Comunidade de Comunidades, contribui com a utopia da fraternidade a partir do projeto cristão (Gaudium et Spes, n. 25).
Na sociedade de hoje, marcada pelo mundo dos negócios, da competição, ainda se encontram, graças a corações generosos, comunidades que vivem a gratuidade, o serviço e a partilha. E isso faz a diferença! Onde o pecado perverte o clima social, é preciso apelar à conversão dos corações e à graça de Deus.
Há muitas comunidades cristãs e católicas que vivem em função de um objetivo comum, um carisma, um propósito, uma necessidade. Tais comunidades são dignas de admiração, pois na maioria dos casos subsistem a partir de doações, apoio da comunidade local, famílias envolvidas, parcerias e ações sociais em prol da sua manutenção. Viver nessas comunidades é motivador e desafiador, visto que visam a enfrentar um determinado problema, uma lacuna social e, de forma organizada, se propõem a trazer benefícios às realidades menos favorecidas.
Viver onde reina a solidariedade, o amor ao próximo, o servir, a difícil arte de conviver, o desenvolvimento individual e social, assim como o sentimento de pertença e os laços que unem e fortalecem os relacionamentos, é transformar a realidade. Cada pessoa que vive em comunidade sabe das alegrias e das dores que lhe cabem ao longo do caminho. Mas também sabe que tudo vale a pena para aquele que crê, para aquele que sabe em quem põe sua confiança.
Espelhando-nos nos elementos e critérios que animaram as primeiras comunidades cristãs, nos esforçamos para construir as nossas Comunidades de hoje, que pretendem ser cada vez mais discípulas e missionárias de Jesus Cristo.
Além de tudo isso, quanto mais nossas Comunidades e grupos forem organizados e motivados pelos elementos acima, mais atrairão outras pessoas para se unirem a ela devido ao alegre testemunho de serem chamadas, formadas e animadas pelo Mestre: “A Igreja cresce, não por proselitismo, mas por atração: como Cristo atrai tudo para si com a força do seu amor. A Igreja atrai quando vive em comunhão, pois os discípulos de Jesus serão reconhecidos se amarem uns aos outros como ele nos amou (Rm 12,4-13. Jo 13,34)” (DAp, n. 159).

Compartilhe: