Ir para o conteúdo

terça-feira, 08 de julho de 2014

Artigos

Holanda se inspira em Handebol e se classifica para as semifinais

Para muitos comentaristas e, certamente, milhares de telespectadores causou estranheza a substituição do goleiro da Holanda no minuto final da prorrogação com a intenção clara de defender a cobrança de pênaltis.
Não me recordo de ter visto esta estratégia no futebol apesar de ser vastamente utilizada no Handebol (modalidade que convém lembrar somos campeões mundiais femininos e temos a melhor jogadora do mundo) e que consiste basicamente em colocar um goleiro especialista nesta função no lugar do goleiro titular no momento da cobrança do tiro de sete metros, o pênalti no Handebol. 
Reação imediata, estratégia do Handebol. Irá dar certo? Deu …
A justificativa do técnico foi a de ser o goleiro reserva de maior envergadura (para quem não sabe, envergadura é a distância medida da ponta de um dedo médio ao outro com os braços elevados na altura dos ombros), logo, uma maior possibilidade de alcançar as bolas chutadas nos cantos. Se a lógica parece simples, dados estatísticos apresentados nos diversos canais de televisão, após o término do jogo, não justificavam esta troca. 
“Todos os jogadores na minha seleção têm certas qualidades, e nós sentimos que ele era o goleiro mais apropriado para pegar pênaltis, tem grande envergadura”, disse Van Gaal.
O técnico holandês, que até agora utilizou 21 dos seus 23 convocados, valoriza o seu elenco e nos remete ao vitorioso técnico Bernardinho (seleção masculina de voleibol) que por diversas vezes conquistou importantes títulos com jogadores vindos do banco de reservas para decidirem as partidas. É o elemento surpresa.
Excêntrico ou ousado a verdade é que o técnico da Holanda chamou para si a responsabilidade, surpreendeu, arriscou e… está na semifinal da Copa do Mundo.
Quem sabe o futebol não possa aprender com outras modalidades…
 
Ronê Paiano é professor do curso de Educação Física da Universidade Presbiteriana Mackenzie. 

Compartilhe: