Ir para o conteúdo

quarta-feira, 28 de fevereiro de 2024

Artigos

Hábitos se adquirem na infância

Olá!
Saber que um familiar tem um problema no coração leva a uma preocupação: será que é hereditário? Dependendo do problema, é genético, mas isso ocorre somente em casos muito raros. Muitas pessoas procuram o cardiologista para check up para prevenção por ter casos na família, mas os fatores de risco para tal também se repetem – má alimentação, sedentarismo, tabagismo, obesidade, etc semelhantes àqueles familiares acometidos pela doença.
Já é de conhecimento de todos que uma alimentação equilibrada, a prática regular de exercícios, uma boa noite de sono, evitar o tabagismo e o controle do peso são fundamentais para prevenção de pressão alta, diabetes e colesterol – fatores que levam a doenças cardiovasculares.
Aprender a comer de forma saudável e a pratica de exercícios são hábitos que têm mais chances de acompanhar a população durante a vida se começarem logo na infância. A obesidade afeta 13,2% da crianças entre 5 e 9 anos segundo o Ministério da Saúde e isso pode trazer consequências preocupantes ao longo da vida. E crianças obesas têm mais chances de se tornarem adultos obesos. E mudar um hábito é algo difícil, não é?
Além disso, sabemos que o tipo de alimentação, o estresse, a qualidade do sono, o sedentarismo, o tabagismo, o uso de certos medicamentos e as experiências emocionais podem influenciar na nossa genética – ativando e desativando genes. Essas mudanças podem ser para o bem ou para o mal, atenuando sintomas de doenças ou provocando seu aparecimento. Ter história na família não é sentença de que vai desenvolver o mesmo problema. O seu estilo de vida é mais importante para esse desenvolvimento.
Portanto, é importante que os pais se tornem conscientes sobre a importância de dar bons exemplos, já que filhos são como espelhos.
Um ótimo domingo e até o próximo!

 

 

Daniele Rezek
Cardiologista
CRM 145.887
RQE 64.850

Compartilhe: