Ir para o conteúdo

segunda-feira, 24 de junho de 2024

Artigos

Grupo Band: lamentável mudança de postura jornalística e o destempero do jornalista Luiz Megale

Sem dúvidas, a mudança de postura das grandes mídias abertas (Radio, TV e Jornal) no Brasil, levaram a um descrédito e perda de audiência como jamais esperado por todos.
Particularmente, não tenho assistido, de 2 a 4 anos, começando pela Globo, seguindo por CNN, Bandeirantes e demais, em virtude da linha ideológica da maioria dos jornalistas e de vários artistas “entregues” ao interesse particular ou esquerdista.
O cúmulo das ocorrências, foi uma recente narrativa do jornalista Luiz Megale da BAndNews, falando de Doha (arena da Copa do Mundo).Postando-se agressivo, grosseiro, radical e incoerente com a verdade, mostrando o nível a que chegou um sujeito que usa o microfone da Bandeirantes.
O tal Megale refere-se aos manifestantes (nos quarteis), como se fossem uma turba de marginais, chegando a recomendar o uso de força violenta no sentido de desfazê-los desse sagrado direito. Aparenta uma condição psicológica visivelmente alterada levando ao destempero de comportamento.
O que chama a atenção é que a Band recém ingressa no chamado consórcio de emissoras antagônicas ao governo Federal, sempre primou pela linha ideológica conservadora, até por conta da tradição de seus proprietários, Família Saad. Meus patrícios de origem, naturais amantes do capitalismo e da liberdade, jamais (que eu saiba) do comunismo.
Uma família que admiro desde os tempos do Ademarismo que, apesar dos pesares, cumpriu uma missão política conservadora não deixando-se influenciar pelos interesses políticos do agregado Ademar de Barros, naquela ocasião.
Enquanto emissora que acomodava ambas as vertentes ideológicas jornalísticas, vem perdendo muita audiência por conta da nebulosa e volátil linha, por exemplo, de um Reinaldo Azevedo, esquerdista na juventude, anti PT na maturidade e agora, na senescência, apaixonado pela causa esquerdista, de maneira a afugentar muitos seguidores, pela “crônica” incoerência de posicionamentos.
Com um time de esquerdistas arrogantes tipo Mônica Bérgamo, Carla Bigatto, (des)engraçado Macaco Simão, antes imparcial, agora notório esquerdista militante, na maioria de suas sátiras ou piadas.
Por fim, tudo é admissível em termos de linhas jornalísticas, porém, tem sido muito desequilibrada a proporção, com consequente dissabor pela audiência.
Que o Megale cubra o futebol com isenção e torça, sim, pelo sucesso do grande Neymar que, no direito de ser Bolsonarista, é uma esperança para o nosso Brasil.
Ou será que vai torcer contra?! Não posso acreditar, mas é possível.

 

 

Dr. Fauze José Daher
Médico Gastro/Cirurgião
e do Trabalho e Advogado

Compartilhe: