Ir para o conteúdo

sexta-feira, 15 de outubro de 2021

Artigos

Glaucoma pode gerar perda total da visão

O exame de rotina, incluindo a avaliação de um oftalmologista, é a principal forma de prevenção da doença que raramente apresenta sinais ou desconforto

O glaucoma é uma doença ocular causada, principalmente, pela elevação da pressão intraocular, o que provoca lesões no nervo ótico e o comprometimento visual. Nos casos mais graves, pode levar a cegueira.
Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), o glaucoma é a segunda maior causa de cegueira no mundo, ficando atrás apenas da catarata. Estima-se que a prevalência da doença no mundo é de aproximadamente 1% a 2% da população. No Brasil, a estimativa é de que 900 mil pessoas sejam portadoras da doença.
De acordo com o oftalmologista Roberto Pinto Coelho, médico do Grupo São Francisco que faz parte do Sistema Hapvida, o grande risco da doença é que ela raramente apresenta sintomas ou desconforto no paciente.
“A pressão intraocular é o tônus natural do olho. O paciente não sente nada se tiver pressão intraocular aumentada em 99% das vezes. Apenas sente dor se tiver um tipo de glaucoma agudo, que é muito raro”, explica Coelho.
O médico afirma que a pressão intraocular pode ser provocada por diversos fatores e que a única maneira de prevenir são os exames de rotina dos olhos.
Prevenção e
Diagnóstico
“O aumento da pressão intraocular pode ser devido a fatores como idade, raça, trauma ou infecção. A melhor maneira de prevenir o seu aumento é consultar o oftalmologista regularmente para medir a pressão e, se estiver alta, indicar um colírio para o tratamento. O diagnóstico do glaucoma é por meio do exame oftalmológico, em que o médico afere a pressão intraocular, faz um campo visual e avalia o nervo óptico”, comenta.
Tratamento
O oftalmologista do Grupo São Francisco aponta que em caso de agravamento da doença, o paciente pode perder a visão de forma permanente. “O risco é perder a visão ou parte dela. Geralmente começa a perder campo de visão até chegar a ter visão tubular e cegueira total. O tratamento é feito por meio de colírios que vão abaixar a pressão intraocular, mas em alguns casos mais graves pode ser necessária uma cirurgia”, conclui.

Compartilhe: