Ir para o conteúdo

segunda-feira, 26 de fevereiro de 2024

Artigos

FIM DAS FESTAS

Acabaram-se as festas, a ilusão acabou, a hora de trabalhar duro para pagar os cartões de crédito, IPVA, IPTU e demais obrigações, enfim, pôr as contas em dia, voltar à velha rotina, já bate as portas. O ano mudou, mas por acaso mudamos nosso comportamento, nossa maneira de agir ou tudo se esvaiu com os votos de um feliz ano novo? A realidade chegou, e com ela a surpresa é que tudo voltou a subir numa espiral inflacionária perversa, que só o governo não percebe.
Aliás, o governo está aparelhado para mitigar as notícias ruins e criar factoides para continuar iludindo o povo. E, infelizmente, a grande massa ainda vive no “engana que eu gosto”.
Os programas sociais, mal direcionados, como que entorpeceram a população, que se acostumou a viver com o mínimo, em vez de ter um trabalho digno que lhe de o sustento necessário. O resultado está aí, aumento do crime, dos assaltos, dos roubos de celular à vida das pessoas.
E parece que estamos no melhor dos mundos. É hora de acordar do sonho ou pesadelo que estamos vivendo. É hora de pensar no futuro para nós e para nossos filhos. De dar-lhes um mínimo de esperança de um futuro melhor, com boa educação, e poder almejar em subir na vida pelo esforço próprio e pelo trabalho sério e compensador.
O governo parece que está focado só no oito de janeiro e nas próximas eleições, enquanto a população queima as pestanas em busca do equilíbrio financeiro para normalizar a vida. Agora, querem legalizar os cassinos, porque as loterias e os jogos de azar, os mais variados, ainda deixam brechas para tirar um pouco mais do bolso da população e aumentar a renda para o governo, que só pensa em arrecadar cada vez mais, em vez de diminuir as despesas em busca do déficit zero.
Aliás, o déficit zero seria benvindo, se fosse através do corte de despesas e não do sofrido bolso do contribuinte. Só que o contribuinte está esgotado, e se continuar assim, vai aumentar a inadimplência e o governo vai acabar por recolher menos.
Já está provado que a queda de impostos aumenta a arrecadação do governo, enquanto o aumento abusivo tem efeito contrário. Mas o governo não está aberto a sugestões e diálogo, porque tem um ministro da Fazenda com ideia fixa em aumentar impostos e arrecadar cada vez mais.
Só nos resta pedir a Deus que abençoe nosso povo e nos dê um direcionamento capaz de mitigar um pouco o nosso sofrimento.
BOM DIA BARRETOS.

Compartilhe: