Ir para o conteúdo

sexta-feira, 19 de abril de 2024

Artigos

FGTS Digital: O que muda na revolução digital do trabalho?

A chegada do FGTS Digital é um marco significativo na evolução das relações trabalhistas no Brasil, prometendo revolucionar a maneira como empregadores e trabalhadores interagem com o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). Com sua implementação prevista já para a competência de março de 2024, o sistema é visto como um passo crucial para a modernização, eficiência, e transparência na gestão de benefícios trabalhistas.

Desde a sua criação em 1966, o FGTS tem servido como uma proteção financeira para os trabalhadores brasileiros em diversos momentos da vida. Entretanto, ao longo dos anos, tornou-se evidente a necessidade de uma reformulação para adequar o sistema às demandas contemporâneas por rapidez e transparência. o FGTS Digital foi desenvolvido como uma solução inovadora, buscando eliminar burocracias e facilitar o cumprimento das obrigações relativas ao FGTS por parte dos empregadores.

O FGTS Digital introduz mudanças significativas nas rotinas empresariais, destacando-se a obrigatoriedade do uso da guia FGTS Digital (GFD) para eventos desencadeadores a partir de sua data de vigência e a adoção do Pix, com QR Code, para pagamentos.

Para os trabalhadores, o FGTS Digital promete maior clareza e acesso facilitado aos seus fundos, permitindo um acompanhamento mais efetivo das contribuições realizadas pelos empregadores. A digitalização do FGTS é uma vitória para os trabalhadores, assegurando que seus direitos sejam respeitados e facilitando o uso dos recursos quando necessário.

Um aspecto crucial do FGTS Digital é sua integração com o eSocial, um sistema que unifica a prestação de informações trabalhistas, previdenciárias e fiscais, simplificando a transmissão de dados por parte das empresas ao governo. O FGTS Digital aproveita as informações consolidadas no eSocial, garantindo que os dados dos trabalhadores estejam atualizados e corretos. Isso reflete um avanço na automação e na precisão dos processos, impactando positivamente na gestão do FGTS.

André Charone é contador, professor universitário, Mestre em Negócios Internacionais pela Must University (Flórida-EUA).

Compartilhe: