Ir para o conteúdo

segunda-feira, 04 de março de 2024

Artigos

Família Francisclariana terá um importante encontro domingo dia 13

Ao ensejo do dia de Santa Clara (hoje, 11 de Agosto), do 3º Ano Vocacional no Brasil (2023) e do 87º aniversário da chegada das Irmãs Franciscanas da Penitência em Barretos (1º/08/ 1836/2023), será realizado no Educandário Sagrados Corações – Avenida 19 com a Rua 6 – um significativo encontro da Família Francisclariana, reunindo não só as Irmãs dessa Congregação, da qual muitas aqui virão de outras cidades, mas também freis de Olímpia, além de leigos e leigas consagrados e ainda em conjunto com as Irmãs Pequenas Missionárias Eucarísticas, que também vivem a espiritualidade francisclariana.
O assunto do dia, desde o encontro matinal, seguido da Santa Missa na Capela do Educandário às 10h30, é não só a convivência dos membros desse carisma, mas refletir sobre o tema desse Ano: Vocação, Graça e Missão. Nesta Santa Missa, duas senhoras irão proferir votos, consagrando suas vidas também nessa dimensão: Aparecida Maria Mendes dos Santos e Galdina Goulart de Andrade, ambas passando a integrar essa Família, na Ordem Franciscana Secular (OFS).
Na parte da tarde está previsto um encontro das Irmãs Franciscanas da Penitência com o diácono Lombardi, da Paróquia Catedral, sobre o mesmo tema vocacional, e a histórica presença dessa Congregação que passou a fazer parte da história da própria cidade de Barretos desde a década de 30 do século passado, formando centenas de centenas de crianças, adolescentes e jovens por quase nove décadas, e que também por 18 anos cuidou de idosos no “Asilo São Vicente de Paulo” (Vila dos Pobres) de 1938 a 1957.
Em seguida, haverá uma peregrinação ao Cemitério Municipal onde, junto ao túmulo da primeira superiora da Congregação no Brasil e em Barretos – Madre Antônia – terão momentos de orações em agradecimento a tantas vocações que vêm surgindo onde se encontram, sendo a Madre Antônia um exemplo para todas. Neste túmulo também se encontram os restos mortais da Irmã Majella, que veio naquela época, mas que não conseguiu exercer aqui seu ministério, pois na viagem passou a sofrer os efeitos de uma doença pulmonar à qual não resistiu, falecendo em 1940.
Um dia significativo para toda essa Família francisclariana, e pela qual rendemos graças a Deus por tantos frutos que produzem incansavelmente.

 

 

(Por: Diácono Lombardi)

Compartilhe: