Ir para o conteúdo

segunda-feira, 24 de junho de 2024

Artigos

Exercício físico: por que as pessoas têm tanta dificuldade em sair do sedentarismo?

Quem é normal: a pessoa que se exercita regularmente ou aquela que não gosta de atividade física?
Nós, seres humanos, não fomos criados para o esforço físico e, principalmente em períodos mais distantes da história da humanidade, não era considerado muito inteligente gastar energia sendo que o homem precisava de força e disposição para sair à caça, por exemplo.
Tanto é verdade que as modernas invenções e todas as tecnologias que trazem facilidades para o nosso dia a dia, foram criadas para que fizéssemos o menor esforço possível, poupando tempo e energia.
Aliás, tudo o que economiza tempo, de certa forma, acaba nos deixando um pouco mais “preguiçosos”.
Entre os exemplos mais singelos está o controle remoto, não somente da televisão, mas qualquer um deles, que evita que o indivíduo se levante do seu lugar para fazer alguma coisa que pode ser acionada por um simples botão à distância, haja vista as “casas inteligentes” e as dezenas de opções de automatização até de uma simples cortina.
Dessa forma, a prática de atividade física é o que nos traz mais saúde e qualidade de vida, mas o normal é que busquemos sempre a lei do menor esforço.
Mas essa é apenas uma constatação, com base no estudo de Daniel Lieberman, paleoantropólogo da Universidade de Harvard e autor de Exercise, ao The Harvard Gazette.
O exercício físico traz, inegavelmente, inúmeros benefícios e deve ser acrescentado na rotina, deve fazer parte de um estilo de vida, pois ajuda a evitar inúmeras doenças e fará toda a diferença em nossa mobilidade e em nossa força física principalmente quando estivermos idosos. Mas para isso, é preciso começar agora”.
O paleoantropólogo Daniel Lieberman apenas demonstrou, através da sua pesquisa, porque o ser humano tende a ceder com muita facilidade à vontade de ficar no sofá ao invés de se exercitar com regularidade. Saber disso torna-se um estímulo para que as pessoas enfrentem a preguiça e enfrentem a si mesmas na busca por uma vida mais saudável.

 

 

Dr. Jorge Rezeck
Médico no Hospital
São Jorge e Clínica Unique.
Membro titular da Sociedade
Brasileira de Clínica Médica

Compartilhe: