Ir para o conteúdo

terça-feira, 07 de dezembro de 2021

Artigos

Exaurindo Idéias

A mente humana é fantástica, e por assim ser, ela é capaz de criar mundos inteiros. Porém, a mesma capacidade que ela possui para criar, ela o tem para destruir. A atualidade está permeada de imediatismos os quais não permitem a solidificação permanente de uma ideia, um fato, uma coisa, ou mesmo uma ação. É tudo tão volúvel que em um piscar de olhos tudo tende a ser e estar distinto de antes.
Na mente há um mundo que está em ascensão e declínio: ao mesmo tempo em que se traçam planos, buscam-se metas, estes se desfazem e ruem. Há um esquema a ser seguido, e, ao primeiro sinal de frustração, aquele projeto inicial é abandonado, os planos desfeitos e as esperanças sepultadas com sonhos, os quais foram colocados de lado.
Um império se constitui e apenas o pensador, ou o sonhador é o seu senhor. Neste império não há espaços para fracassos, perdas, ressentimentos, saudosismos, mas há antes de tudo sinais de vitórias, conquistas, lutas travadas contra o seu ‘eu interior’, subidas no pódio e sorrisos, muitos sorrisos. O mundo ideal é magnífico, mas nem sempre corresponde à realidade.
Ah! A mente humana… Nela e com ela posso e sou levado e elevado aos lugares que quero, a medida de meus gostos e desejos. Percorro os mundos – às vezes aqueles criados por mim mesmo – e me faço dono do tempo e do espaço, como se o mundo girasse à minha volta.
Percorro os tempos de todas as formas e maneiras, viro e vivo os personagens que quero e que criei; sou capaz de me ver lendo, voando, sentado, em pé, andando, beijando, falando, me tornando uma pessoa importante, falindo na vida, sendo adulto, criança, adolescente e até mesmo idoso o qual contempla uma vida bem vivida.
Exauro todas as ideias, pois em meu mundo mental não há dor, não existe ilusão, não existe ressentimento. Ali tudo é novo e se algo não me convém… Bem! Refaço a história, pois a vida é minha e a quero viver da melhor forma possível.
Porém, vida perfeita não existe e por mais que eu viva mergulhado em um mundo ideal, a realidade vai me chamar e precisarei retornar, pois aqui, no mundo real, tenho família, eles precisam de mim, tal qual eu preciso deles; há problemas e minhas ideias precisam ser postas em prática na tentativa de resolução destes; há perdas e essas são inevitáveis, mas há amadurecimento e isso me fez ser quem sou hoje.

Padre Flávio Aparecido
Pereira
Vigário da Paróquia
Catedral Divino Espírito Santo

Compartilhe: