Ir para o conteúdo

segunda-feira, 04 de março de 2024

Artigos

EUCARISTIA – Ápice da vida da Igreja

Jesus disse: “Eu sou o pão vivo, descido do céu. Quem comer deste pão viverá eternamente. (…) Quem come a minha Carne e bebe o meu Sangue tem a vida eterna (…) permanece em mim e eu nele” (Jo 6,51.54.56)
A Eucaristia é o coração e o ápice da vida da Igreja, pois nela Cristo associa sua Igreja e todos os seus membros ao seu sacrifício de louvor e de ação de graças oferecido uma vez por todas na cruz a seu Pai. Pelo seu sacrifício ele derrama as graças da salvação sobre o seu corpo, que é a Igreja.
A Eucaristia é o memorial da páscoa de Cristo: isto é, da obra da salvação realizada pela Vida, Morte e Ressurreição de Cristo, obra esta tornada presente pela ação litúrgica.
É Cristo mesmo, sumo sacerdote eterno da nova aliança que, agindo pelo ministério dos sacerdotes, oferece o sacrifício eucarístico. E é também o mesmo Cristo, realmente presente sob as espécies do pão e do vinho, que é a oferenda do Sacrifício Eucarístico.
Os sinais essenciais do Sacramento Eucarístico são o pão de trigo e o vinho de uva, sobre os quais é invocada a bênção do Espírito Santo, e o sacerdote pronuncia as palavras da consagração ditas por Jesus durante a Última Ceia: “Isto é o meu Corpo entregue por vós. (…) Este é o cálice do meu Sangue”
Através da consagração opera-se a transubstanciação do pão e do vinho no Corpo e no Sangue de Cristo, vivo e glorioso, presente de maneira verdadeira, real e substancial, Corpo e Sangue, Alma e Divindade.
Quem quer receber a Cristo na comunhão eucarística deve estar em estado de graça. Se alguém tem consciência de ter pecado mortalmente, não deve comungar a Eucaristia sem ter recebido previamente a absolvição no sacramento da Penitência.
Tendo Cristo passado deste mundo ao Pai, dá-nos na Eucaristia o penhor da glória junto dele; a participação no Santo Sacrifício nos identifica com o seu coração, sustenta as nossas forças ao longo da peregrinação desta vida, faz-nos desejar a vida eterna e nos une já à Igreja do céu, à santa Virgem Maria e a todos os santos.

 

(Por: Diácono Lombardi)

Compartilhe: