Ir para o conteúdo

sábado, 15 de junho de 2024

Artigos

Eu só cuido de mim quando cuido do outro!

Vivemos em uma época de extraordinário avanço tecnológico, em que a inteligência artificial vem se desenvolvendo rapidamente. No entanto, frequentemente esse progresso tem sido mal interpretado, resultando em uma competição desenfreada e no declínio do tempo de ócio criativo.
Infelizmente, tais consequências têm afetado negativamente nossa saúde emocional. Por outro lado, o autocuidado, que deveria ser uma prática enriquecedora, tornou-se uma mercadoria que amplia o individualismo, minando os laços sociais e a identidade pessoal.
A individualidade é uma parte intrínseca de cada ser humano. Ela representa nossa essência, nossa identidade e personalidade. No entanto, quando essa individualidade é infectada pelo vírus do egoísmo, surge o individualismo, que nos desconecta dos outros e nos conduz à solidão e a problemas emocionais profundos.
Qual é a melhor vacina para combater esse mal que tem assolado a humanidade neste século? É a Alteridade, uma palavra que expressa a capacidade de enxergar com a alma os dramas e as alegrias alheias. A alteridade nos permite nos enriquecer com a essência do outro, compreender sua perspectiva e experiência de vida. É por meio dessa visão empática que somos capazes de transformar a nós mesmos, desenvolvendo sensibilidade e aprendendo a unir emoção e razão.
Ao olhar para o outro e enxergar sua singularidade, ampliamos nossa própria compreensão e vivência do mundo. Cada interação com o próximo nos oferece uma oportunidade valiosa de crescimento pessoal. Através da alteridade, aprendemos a valorizar as diversas capacidades que nos tornam humanos, reconhecendo a riqueza de nossa pluralidade.
Cuidar do outro não é apenas um ato altruísta, mas uma forma de cuidar de nós mesmos. Ao estendermos a mão ao próximo, fortalecemos os laços humanos que nos mantêm conectados e, assim, encontramos um senso de pertencimento. É no encontro com o outro que descobrimos nossa própria humanidade e o poder transformador que a empatia exerce em nossas vidas.
Portanto, em meio a esse admirável desenvolvimento tecnológico, é essencial não perdermos de vista a importância da alteridade. Devemos resistir à tentação do individualismo e abraçar a empatia como uma forma de resistência e cura. Somente assim poderemos reverter os danos causados à nossa saúde emocional e construir uma sociedade mais equilibrada e humana.
O verdadeiro autocuidado, portanto, é a alteridade, o olhar empático para o outro, que nos permite crescer e nos reconectar com nossa própria humanidade. Cuidar do outro é, portanto, cuidar de nós mesmos, e ao adotar a alteridade como um valor essencial, trilharemos um caminho de equilíbrio e harmonia em meio às maravilhas tecnológicas do nosso tempo.

 

 

André Naves é Defensor
Público Federal, especialista
em Direitos Humanos e Inclusão
Social; Mestre em Economia Política.

Compartilhe: