sexta-feira, 04 de dezembro de 2020

Artigos

“Eu e minha casa serviremos ao Senhor”

A Igreja no Brasil comemora, anualmente, na segunda semana do mês de agosto, a Semana da Família. No contexto do mês vocacional a iniciativa propõe aos cristãos católicos e pessoas de boa vontade, rezar, refletir e celebrar, a partir do chamado à vida e à fé cristã, a vocação específica através da qual cada pessoa ocupar seu lugar no mundo, realizando-se humanamente, vivendo o dom da fé recebido no Batismo, inserida na Igreja, comunidade dos discípulos de Cristo e, no exercício pleno da cidadania, colaborando na construção de uma sociedade mais justa e solidária.
O tema “Eu e minha casa serviremos ao Senhor” (Js 24,15) insira a celebração da Semana da Família 2020. Baseado no capítulo 24 do livro de Josué, a passagem expressa a convicção do sucessor de Moisés que, após relatar as muitas maravilhas realizadas por Deus em favor do povo de Israel (do chamado ao patriarca Abraão, a libertação da escravidão do Egisto e entrada na terra prometida), contrapõe a fidelidade de Deus à postura de deuses pagãos, questionando: “A que vocês querem servir?” e respondendo: “Eu e minha família serviremos ao Senhor”.
A semana da família concede-nos a oportunidade de refletir acerca da qualidade de nossa relação para com Deus, relação que deve ser medida pela fidelidade à prática dos valores fundamentais à vida e à fé. Multiplicam-se constantemente, as propostas a que nós e nossas famílias abracemos o adultério como condição natural de vida, traindo valores e condutas irrenunciáveis a quem, como Josué e sua família, reconhece a ação poderosa e amorosa de Deus a conduzir-lhes os passos ao longo do caminho da vida.
A cultura de morte que considera a vida humana descartável e submissa a quaisquer outros interesses; o relativismo que corrompe a escala de valores fundamentais submetendo-os a critérios egoístas de pessoas, grupos e ideologias; a indiferença que renega ao esquecimento o reconhecimento do outro como imagem e semelhança de Deus. A conduta de infidelidade tem como consequência a contradição pessoal, familiar e social, o que explica os muitos flagelos enfrentados pela humanidade, das enfermidades da mente e do coração ás grandes tragédias mundiais.
Tendo Jesus Cristo como Senhor as famílias cristãs católicas devem assumir como critério de vida e cainhada: 1º A fé, como fidelidade a Deus; 2º A escuta e aprofundamento da Palavra de Deus, como escola da fé; 3º A oração pessoal e familiar como combustível da fé; 4º A vida eclesial-comunitária como extensão da Igreja doméstica; 5º O diálogo como dom de se dar e acolher o outro, amorosamente; 6º O perdão, como reposta do coração amoroso às feridas que nos são abertas; 7º A partilha, expressão do coração que se doa, sobretudo, aos mais necessitados. Assim, convictos expressamos: Nós e nossas famílias serviremos ao Senhor.

Ivanaldo Mendonça
Padre, Pós-graduado em Psicologia
[email protected]

Compartilhe: