Ir para o conteúdo

domingo, 21 de setembro de 2014

Artigos

ENGANANDO OU ENGANADO ?

Bom Dia Barretos. 
Chegando ao lar, após mais um dia de trabalho, procurei me refazer desfrutando de um bom e reparador banho seguido de uma refeição leve. Passei a seguir alguns momentos maravilhosos desfrutando da leitura de um livro até que o sono dissesse, basta. Recolhi-me ao leito e dormi. 
Não sei se pelo cansaço, ou pela excitação do dia, acabei por sonhar. Sonhei que estava vagando pelo espaço sideral. Em determinado momento percebi que a nave pousava suavemente num planeta. Como que por encanto e nas mesmas condições com que somos recebidos ao visitar o Hawai, fomos cercados por alienígenas sorridentes que nos recebiam com colares de flores e um largo sorriso nos lábios. Ali residia realmente um povo ordeiro e feliz. 
Fiquei a meditar: – O que falta para que o mesmo ocorra na terra? Por que temos que viver aqui nos digladiando uns contra os outros. Por que não podemos colocar em prática os ensinamentos do Mestre e nos amarmos uns aos outros? Por que tanto inveja, ódio, rancor e ranger de dentes? Por que tanta falsidade, mentira e agressões? O que é que está ocorrendo com a alma dos terráqueos? 
Ali naquele planeta se respirava amor, doação, amizade, respeito, compreensão. Ao pisar aquele solo a sensação que se recolhia era do retorno ao lar. Uma brisa suave roçando meu rosto lembrou- me que na terra estávamos entrando na primavera, época onde as flores encantam nossos olhos e nossas almas. 
Tal lembrança teve o condão de me trazer de volta à terra. Levantei calmamente, tomei um gole de água e retomei a leitura. Deparei com uma passagem em que um famoso tenista, depois de haver vencido um importante torneio, dirigiu-se ao estacionamento para pegar o carro. Nesse momento, uma mulher aproximou-se. Depois de cumprimentá-lo pela vitória, contou que seu filho estava às portas da morte e que não tinha dinheiro para pagar o hospital. O tenista deu-lhe, imediatamente, parte do dinheiro do premio que ganhara. Uma semana depois, num almoço, comentou o caso com amigos. Um deles perguntou: – A mulher com quem você conversou era loura, com uma pequena cicatriz embaixo do olho esquerdo? Sim. Concordou o tenista. – Você foi trapaceado. Essa mulher é uma vigarista e usa o mesmo argumento com todos os tenistas estrangeiros que aqui aparecem. Surpreendido, ele perguntou: – Então não existe nenhuma criança às portas da morte? – Não. Respirando tranquilamente, o tenista comentou: – Bem, foi a melhor noticia que recebi esta semana! 
Fechei o livro e caminhei lentamente de volta ao leito dizendo com os meus botões: – Realmente nem tudo está perdido. Ainda temos pessoas na terra mais preocupadas com o próximo do que decepcionadas por terem sido enganadas. Espero sinceramente que os ares da primavera arejando nossos corações e nossas almas possam devolver à nossa civilização a visão de solidariedade e amor ao próximo. 
Cheguei ao leito deitei, mas não consegui conciliar o sono. Continuava sentindo a brisa primaveril roçando meu rosto e fazendo sonhar com uma nova maneira de viver em nosso planeta. Por que não? Só depende de nós. Vamos nos despojar das vaidades, não nos preocuparmos com os pequenos detalhes e priorizarmos a vida e o amor para nos tornarmos verdadeiramente dignos de sermos chamados de filhos de DEUS.
BOM DIA BARRETOS.

Compartilhe: