Ir para o conteúdo

segunda-feira, 21 de junho de 2021

Artigos

Dr. Caio Monteiro: um filho brilhante que Barretos perde.

A visão experiente do tio Paulo Monteiro, Dr. em Oftalmologia, praticada na extensão possível de sua aplicabilidade, diagnosticava no jovem sobrinho Dr. Caio, também médico oftalmologista, o espírito empreendedor impossível de ficar contido em restritas salas de consulta, de testes ou de cirurgias.
Dizia tio Paulo: o Caio é dotado de inteligência privilegiada, têmpera de atuação movimentada, que certamente terá rumos diversos. Com a certeza, de sucessos onde pudesse emprestar a sua vocação.
Não deu outra coisa…De brilhante aluno na faculdade de Medicina, passou a acumular um curso de Engenharia e depois bacharelando-se em Direito, tornando-se também advogado. Sempre como o primeiro aluno, reconhecido, em suas salas, qualquer que fosse o curso.
Não bastasse, há pouco tempo, eu o apresentava a um visitante, como um colega e amigo brilhante, que tinha essas 3 formaturas. Caio com aquele sorriso conhecido, que eu não estava entendendo, completou dizendo que se formara também em Administração de Empresas colocando-se à disposição para o que fosse útil.
Daí uma carreira empreendedora, valente, trabalhadora, com uma característica diferente dos gênios, de alto intelecto, que costumam ser introspectivos, “parados”, tímidos, improdutivos ou pouco resolutivos, para evidenciar uma carreira de ampla atividade nos diversos setores que trabalhou. E interessante: conseguia “dar conta” de tudo, comandando seu grupo, sempre com uma postura cautelosa, calma, mas com muita energia.
Pude conhecer pouco do velho “Índio Branco”, seu pai, Dr. Sebastião Monteiro de Barros, o único Deputado Federal que Barretos teve, na sua história, de quem herdou sua garra. Que teve um “chamamento Divino” também muito precoce, ceifando uma atuação política que extrapolava os limites de nossa cidade. Caio me fazia lembrar, sempre, o saudoso Tião Monteiro.
São muito poucas palavras para uma história bem exercida. Fará falta a muitos que se recordarão de sua costumeira atenção, de seu trabalho, de sua amizade e de seu exemplo de busca de crescimento e de progressos.
Como classista, no meio médico, sempre pude contar com o apoio e a presença do Caio, robustecendo-nos na árdua luta pela Santa Casa e pela boa Medicina.
Saudades serão muito sentidas pelos amigos, Irmãos de Maçonaria, colegas médicos, advogados, engenheiros e empresários. A partida foi muito precoce…
Mas o exemplo fica para ser seguido pelo Ricardo, pela Patrícia, seus netos, pela irmã Dra Sílvia e todos os familiares que podem se orgulhar de alguém que teve uma trajetória, própria, brilhante e bem cumprida.
Queríamos mais, sim. Mas, a vontade do Pai está acima de tudo, sem privilegiar mesmo aquele que muito socorreu em sua missão médica intensivista e socorrista. Registra-se o triste destino de alguém que organizou um sistema de atendimento à pandemia aqui bem perto de nós, mas que foi impiedosamente atingido pelo próprio mal que combateu.
Sua luta, nossas orações e nossa torcida ficaram em vão. O que consola a todos é que certamente lhe estará reservado um lugar junto ao Grande Arquiteto do Universo, a quem respeitamos e devotamos nossa missão nessa caminhada.
Vai com Deus, Caião.
Ficarão, certamente as saudades e a boa lembrança.

*Fauze José Daher: Médico, Advogado e Amigo

Compartilhe: