Ir para o conteúdo

sábado, 18 de maio de 2024

Artigos

Devaneios no Espaço-Tempo

Desde criancinha, no final dos anos 1960, sonho e idealizo ter uma vida que tenha significância para meu país e meus conterrâneos e, se possível, para a humanidade. Meus professores citavam o bom da miscigenação, o Brasil era o país que mais crescia no mundo e eu assistia fascinado o programa “Amaral Neto, O Repórter”. E via o homem ir à Lua pela televisão.
Eu fazia planos e projetos, ia à Biblioteca e comprava livros e revistas de tecnologia. Comprei o Manual do Professor Pardal em 1972, ali tinha um projeto de um periscópio que nunca construí, até que, em 2 de agosto de 2021, com 59 anos, peguei dois espelhos que comprara anos atrás para esse propósito e construí o tal dispositivo. A criança reincorpora o idoso que realiza o sonho de criança.
Meu pai era eletricista de alta tensão, sócio de uma empresa de instalação rural em meados da década de 1970. Vi no lixo uma lâmpada de meio metro utilizada na iluminação de ruas, era de filamento, achei bonita e guardei-a, até que, em 3 de julho de 2020, observei que o filamento poderia ser reunido (velha técnica utilizado por gente velha). Liguei a energia e a “lampadinha” de quase 50 anos vou a brilhar cegando as testemunhas presentes (fiz uma postagem bacana do Facebook).
A personagem Barney Collier do seriado Missão Impossível selou meu destino, estudaria computação na universidade. Em 1977, eu convenci meu pai a me comprar o curso de técnico eletrônico por correspondência Monitor (será que ainda existe?) e fiz coisas interessantes. Meu interesse foi para a eletrônica digital e a programação de computadores. Fui estudar bacharelado na Universidade Federal de São Carlos e, depois, trabalhar no INPE.
Fui convocado pelo Exército e servi em um Tiro de Guerra, aproveitei a oportunidade para aprender a usar armas, fui o melhor de São Carlos e o oitavo melhor no tiro ao alvo da região de Araraquara. Não via o progresso do Brasil sem o uso da força.
Ainda na UFSCar, li toda a obra de Platão. Então, resolvi ler o Novo Testamento… Abandonei o ateísmo e a revolução e converti-me ao catolicismo. Os Atos dos Apóstolos (2,45 e 4,35ss) conduziram-me ao socialismo do PT (creio que o mesmo caminho trilhado por Karl Marx, cujo pai era um judeu convertido ao luteranismo). O sonho vermelho durou mais de uma década, encerrada pelos corruptos do partido no começo de 2002.
No início dos anos 1990, eu já havia desenvolvido uma estação de testes para satélites, utilizada para o SCD-1, substituindo um equipamento que custava mais de meio milhão de dólares. Depois, fiz uma estação terrena que foi utilizada na Base de Alcântara, fazendo o mesmo serviço básico que outros equipamentos que custaram milhões.
Fiz trabalhos incríveis no INPE e atuo junto a políticos que acreditam no Brasil. Mas sempre lembro do periscópio e da lampadinha, não foram as mais gratificantes realizações, diferentes, sim, igualmente satisfatórias, sim, ou seja, não se precisa de grandes realizações para ser feliz e sentir que a vida valeu e vale a pena ser lutada com algum idealismo.

 

 

Mario Eugenio Saturno
(cientecfan.blogspot.com)
é Tecnologista Sênior do
Instituto Nacional de Pesquisas
Espaciais (INPE) e congregado mariano

Compartilhe: