sábado, 24 de outubro de 2020

Artigos

Cuidar é ter mais ternura na vida

Considerando os sete olhares sobre a compaixão, estabelecido pela Campanha da Fraternidade (CF) deste ano, nos deteremos neste momento sobre o “quarto olhar”, que é denominado como o olhar de quem “cuida com ternura.”
Ao refletirmos sobre esta realidade da ternura será possível perceber que por definição encontraremos atitudes relacionadas à condição de quem é “meigo, afetuoso, carinhoso etc.”. E assim, notaremos que a prática da ternura tem como resultado de ação uma forma concreta de acolher a misericórdia Divina.
Deste modo, a ternura chega a ser um ato de apoio, de acolhida, de satisfação e abertura que age como um antídoto contra o medo e o receio que o outro pode adquirir em relação ao seu próximo e até mesmo em relação a Deus, se achando indigno para aceitar tal ação misericordiosa que seja oferecida em seu favor.
De fato, esta intuição escondida de medo e de receio que todos nós carregamos em nosso interior é quebrada pela ação da ternura, pois como sabemos: “no amor não há temor”, e a atitude de ser amado passa pela nossa percepção e intuição, e é aí que encontramos o verdadeiro sentido da ternura. Ela é justamente notada pela estímulo do amor, pela ação, pelo cuidado, é claro, dispensa julgamentos. Ao contrário é sempre aberta a aceitar a realidade do outro, sendo capaz de amá-lo por inteiro.
Por fim, ao tentar abarcar a totalidade que a ternura representa, podemos nos deter nesta simples e profunda afirmação: “A ternura nos torna mais abertos para aceitar a pessoa do nosso próximo”.
E assim será possível perceber que uma vida que é impulsionada pela ternura não tem medo de enfrentar a escuridão dos erros e do pecado, pois pela misericórdia de Deus somos capazes de ultrapassarmos a escuridão, como Ele sonhou. A fonte de toda ternura não está em nós, Deus é a fonte de todo bem e de toda ternura e nós somos capazes de exalar esta graça que vem Dele.
Neste tempo da Quaresma, tempo de conversão, peçamos a Deus a graça da verdadeira ternura e nos empenhemos para vivenciá-la em nosso dia a dia, pois quem se sente amado é estimulado a amar e cuidar.

Daniel Canevarollo
Seminarista

Compartilhe: