Ir para o conteúdo

quarta-feira, 23 de junho de 2021

Artigos

Crianças e pandemia: como lidar com a exposição excessiva às telas?

Pediatra do Grupo São Francisco fala sobre os prejuízos no desenvolvimento dos pequenos e dá dicas para ajudar os pais

Durante a pandemia, aumentaram as horas que as crianças passam em frente às telas, seja pelo novo modelo de ensino adotado pelas escolas, combinando aulas presenciais e remotas, ou mesmo pelo isolamento social, que acaba por impulsionar o uso de celulares, computadores ou videogames para diversão.
Para Alexander Engelberg, pediatra do Grupo São Francisco – que faz parte do Sistema Hapvida -, este momento é um grande desafio para as famílias e se não for contornado, pode trazer prejuízos no desenvolvimento de crianças e adolescentes.
“Quanto mais tempo as crianças passam em frente às telas, menos tempo elas ficarão com seus pais e irmãos e interagindo socialmente, criando assim um isolamento e distanciamento dentro da própria casa. O que pode ser prejudicial em vários sentidos”, pontua.
Além dessa falta de interação social, outro fator é o menor contato e convivência no ambiente escolar e com os amigos. “Isso tem contribuído para distúrbios do afeto e do comportamento como ansiedade, depressão e irritabilidade. Estes transtornos também têm efeitos importantes sobre o apetite. A obesidade infantil, por exemplo, que já tem proporções alarmantes, sofreu uma forte guinada. A falta de condicionamento físico também é preocupante”, explica.
O pediatra ressalta ainda que por conta das novas modalidades de aula apesentadas pelas escolas é importante estabelecer limites e rotinas para que a criança não fique grudada apenas nas telas. “ É muito importante salientar que esta prevenção precisar ser algo coletivo. Não só os pais, como os médicos e os professores nas escolas tem um trabalho em conjunto na prevenção desse tipo de problema”.
Segundo as recomendações da Sociedade Brasileira de Pediatria, crianças com menos de 2 anos devem evitar a exposição às telas – liberado apenas para contatos breves com familiares a uma distância segura. Entre 2 e 5 anos o uso deve ser de no máximo uma hora por dia. Já para as crianças de 5 até 10 anos o uso passa para uma ou duas horas e sempre com supervisão de um adulto em todas as faixas etárias citadas. Entre os pré-adolescentes com 11 e 18 anos, é importante limitar a duas ou três horas e nunca permitir o “virar a noite”.
Alexander lembra que a preocupação com o uso excessivo das telas é antiga e vem antes da pandemia. “O grande desafio dos pais é saber dosar e dar este limite de tempo. É essencial incentivar e mostrar para as crianças a importância de outros hábitos. Temos que ser incentivadores desse contato real mesmo na limitação dentro de casa e fazer uma realidade livre das telas”, conclui.

Compartilhe: