Ir para o conteúdo

sexta-feira, 15 de outubro de 2021

Artigos

Covid-19: continuamos precisando que cada um faça a sua parte

Números tão altos quanto no início da pandemia  e falta de itens essenciais expõem a necessidade  de ainda mais cuidado para todos

Vivemos uma semana difícil. No meu caso, assim como o de muitos profissionais de saúde, como seres humanos e como operários na linha de frente contra a Covid-19. A esperada elevação após as festas de fim de ano se confirmou e a situação em nosso país conseguiu ser pior do que algumas pessimistas previsões.
No Hospital São Jorge, enquanto o boletim de quinta-feira (7) trazia apenas um homem internado em ambiente de UTI, uma semana depois, na quinta-feira (14), alcançávamos 100% da nossa capacidade na Unidade de Terapia Intensiva, com cinco homens internados e uma mulher. Os pacientes são de Barretos, Colina, Frutal e Guaíra.

Eu só consigo pensar que, mesmo com todas as informações que temos, estamos errando de alguma forma, não em âmbito médico, afinal nossos protocolos estão em seu melhor momento e os resultados do HSJ são excelentes na recuperação da maioria dos pacientes. Mas, como seres humanos, será que temos sido tão vigilantes? Estamos mesmo evitando as aglomerações possíveis? Só eu tenho visto as pessoas utilizando as máscaras incorretamente? Todos estão cuidando da higiene das mãos com a mesma dedicação do início da pandemia? Eu espero que sim, mas tenho visto que não.

É hora de saber dar um passo para trás, colocar na balança o que realmente importa neste momento, saber abdicar de algumas coisas por um tempo. É o momento de redobrar os cuidados e de proteger os grupos de risco. E é agora que eu faço um pedido pessoal, para que tenham empatia pelos profissionais da saúde, que desde o início estão vivendo as emoções e as particularidades desta doença. Não deixaremos de fazer o nosso melhor nunca, essa questão vai além do nosso juramento, mas sim lida com a grande vocação que temos em nossa jornada, que é salvar vidas. Neste contexto, quero dizer a todos que também quero preservar a minha vida, a da minha família que me recebe após um dia exaustivo de trabalho, assim como a dos meus colegas de trabalho, seja do Hospital São Jorge ou de qualquer instituição de saúde ao redor do mundo.
O ser humano tem o poder de fazer a diferença. Para o bem e para o mal e até mesmo quando falta estrutura básica, como é o triste relato da falta de oxigênio no Amazonas, lá estão os profissionais de saúde em esforço para promover ventilação mecânica manual e buscar fornecedores capazes de suprir a necessidade que o estado passa no momento. E, infelizmente, a pandemia tem sido feita com momentos de falta de insumos ou preços abusivos praticados por fornecedores, aumento que pode ser explicado pelo excesso de demanda.
Por isso, a melhor opção neste momento é estar cercado de cuidados e aguardar a vacinação para uma parcela significativa da população. Posso contar com o esforço de vocês?

Dr. Jorge Chade Rezeck – CRM 140.333

Compartilhe: