Ir para o conteúdo

segunda-feira, 04 de março de 2024

Artigos

Contraceptivo masculino pode ser uma opção promissora

Em fevereiro deste ano foi publicado um estudo científico que evidencia que estamos próximos de testemunhar o lançamento de uma pílula anticoncepcional para os homens. As pesquisas ainda estão sendo feitas com camundongos. Novos testes serão feitos com coelhos e, conforme houver avanços, finalmente serão feitos os testes com humanos.
Conforme o resumo da apresentação da pesquisa, encontrada na revista Nature Communications, o objetivo é que este novo contraceptivo seja usado sob demanda, isto é, um homem tomaria uma pílula anticoncepcional pouco antes do sexo, um consumo eventual, apenas quando necessário.
Esses contraceptivos funcionam bloqueando uma proteína que é essencial para a locomoção dos espermatozóides, impedindo assim que eles nadem e fertilizem um óvulo. Esse método de contracepção é não hormonal e reversível, podendo ser uma opção promissora para os homens.
Os contraceptivos não hormonais têm a vantagem de ter praticamente nenhum efeito colateral. Isso pode ser particularmente importante para indivíduos que são sensíveis aos hormônios.
Embora as pesquisas sobre a pílula contraceptiva masculina estejam em andamento há várias décadas, o desenvolvimento de um contraceptivo masculino eficaz e seguro tem sido desafiador.
Uma das principais razões é a complexidade do sistema reprodutivo masculino. A produção de espermatozoides é contínua e requer uma coordenação precisa entre várias células e hormônios. O sistema hormonal masculino é regulado pela interação complexa de vários hormônios, principalmente a testosterona. Interromper esse processo de maneira segura e reversível tem se mostrado difícil.
Diferentemente das mulheres, que produzem apenas um óvulo maduro por ciclo menstrual, os homens produzem milhões de espermatozóides diariamente. Isso significa que é necessário interromper a produção de espermatozoides em larga escala, ao mesmo tempo em que mantém a produção adequada de hormônios masculinos.
Também houve preocupações sobre a segurança a longo prazo e os efeitos colaterais de um contraceptivo masculino. A maioria dos métodos contraceptivos masculinos em desenvolvimento envolve a supressão da produção de espermatozoides e testosterona, o que pode levar a uma diminuição da libido, disfunção erétil e outros efeitos colaterais potencialmente indesejáveis.
A abordagem deste novo medicamento é um grande avanço, dado que elimina uma enzima-chave para o movimento do espermatozóide que é uma ideia realmente nova. Desta forma, ele será capaz de agir e ser revertido muito rapidamente, o que é algo muito inovador.
Não sabemos quanto tempo pode demorar até haver disponibilidade comercial, mas é inegável que este pode se tornar um dos principais métodos contraceptivos da humanidade.

 

 

 

Dr. Jorge Rezeck
Médico no Hospital São Jorge
e Clínica Unique.
Membro titular da zeSociedade
Brasileira de Clínica Médica.

Compartilhe: