Ir para o conteúdo

segunda-feira, 22 de abril de 2024

Artigos

Compromisso do cristão com as vítimas das injustiças sociais

A solicitude da Igreja com os necessitados começa com Jesus (Lc 4,18), continua com os apóstolos (At 20,35; Gl 2,10); e prossegue conforme testemunho dos santos padres, doutores da Igreja, santos de todas as épocas. A dignidade da vida humana deve ser sempre defendida e, para isso, o Criador conta com a ação de cada um de nós, seus filhos. No Magistério da Igreja, principalmente a partir de Leão XIII (Rerum Novarum), os documentos enfatizam o compromisso do cristão com a Justiça e a Paz, com o cuidado aos mais necessitados, principais vítimas das injustiças sociais.
Embora saibamos isso, que é nosso dever, quantas vezes ficamos calados diante das situações que geram morte? Quantas vezes sequer sabemos identificar uma situação que atenta contra a vida? Se achamos que estamos inseridos em uma sociedade que exige Justiça, por que não socorremos os mais necessitados, como fez aquele homem da Parábola do Samaritano (Lc 10,29-37)? Quantas vezes falamos em fome, pobreza e miséria e tão logo remetemos nossos pensamentos a países distantes?
Sim, a fome e a pobreza, material e espiritual, estão mais perto de nós do que imaginamos! Isso ocorre porque, muitas vezes, não estamos totalmente conectados aos marginalizados, mas apenas em nós mesmos e nos nossos próprios interesses.

Compartilhe: