terça-feira, 20 de outubro de 2020

Artigos

Comissão de Justiça e Paz é instalada no Regional Sul 1

O Regional Sul 1 (que compreende as dioceses do Estado de São Paulo) da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), instalou, no dia 12 de setembro, a Comissão de Justiça e Paz (CJP) no Estado de São Paulo. Na ocasião, foi realizada a apresentação desta comissão por videoconferência.
Composta por 20 membros titulares, ela terá por bispo referencial o próprio presidente do Regional, Dom Pedro Luiz Stringhini, o que tornará a CJP mais transversal e fortalecida na missão.
A Nova Comissão de Justiça e Paz tomará posse em missa presidida por Dom Pedro Luiz Stringhini, no próximo dia 17 de outubro, às 16h, na Basílica Nossa Senhora do Carmo na capital paulista.
A psicóloga e psicanalista Maria Auxiliadora Arantes e o advogado Murilo Gaspardo, que passam a integrar a CJP, comentaram a criação desta Comissão no Estado. “A defesa dos Direitos Humanos, da democracia e da justiça social, à luz do Evangelho, da opção preferencial pelos pobres e da Doutrina Social da Igreja deve ser um compromisso permanente de todo cristão. Isso, porém, torna-se ainda mais premente no contexto em que vivemos no Brasil e em nosso estado, de crescimento da pobreza, da violência contra os mais pobres e marginalizados, de degradação da democracia. A criação da CJB do Regional Sul 1 é uma resposta importantíssima da Igreja no exercício de seu profetismo, e cumprirá um papel muito importante na organização de comissões em todas as Dioceses do estado de São Paulo, na articulação com movimentos sociais que militam pelas mesmas causas, na participação no debate público e na construção de subsídios para o Regional e suas pastorais, o clero, e os leigos de forma geral”, ressalta Murilo Gaspardo.
Esta Comissão que é comprometida com o serviço do Desenvolvimento Humano Integral à luz do Evangelho e da tradição dos ensinamentos sociais da Igreja, vai compor a Comissão Episcopal Pastoral para a Ação Sociotransformadora do Regional Sul 1, mantendo diálogo com as comissões (arqui) diocesanas e outras instituições correlatas, a fim de cooperar na promoção dos valores relativos à justiça, à paz e ao cuidado com a Casa Comum.

Compartilhe: