terça-feira, 26 de janeiro de 2021

Artigos

Comemorando as boas notícias

Altas de pacientes graves de Covid-19 são momentos de otimismo no HSJ

A sensação de proximidade e de desafio que a Covid-19 impôs, tanto para a população em geral, como para os profissionais de saúde vai aos poucos sendo encarada com um pouco mais de tranquilidade, mesmo diante a toda atenção que a doença exige e que deve ser mantida por todos. E, até mesmo nos protocolos de tratamento, a atualização é constante. “Hoje nós podemos dizer que estamos em nosso melhor momento para o enfrentamento da doença, tanto no que diz respeito a capacitação dos profissionais, como também de protocolos e procedimentos”, afirma o médico Jorge Rezeck, que está à frente da ala destinada aos pacientes com suspeita ou confirmação de Covid-19 no Hospital São Jorge. Ele ainda afirma que essa afirmação deve ser feita todo dia, pois o conhecimento desta nova forma do coronavírus é recente e as descobertas e melhorias vão acontecendo em uma rápida frequência.
Mas, assim como a preocupação e os cuidados devem ser mantidos, é preciso um pouco de equilíbrio e boas notícias para quem está encarando a doença, seja como paciente ou como profissional da área da saúde. E, na semana que passou, o Hospital São Jorge foi palco de um final feliz para o paciente com a doença e suas complicações que por mais tempo permaneceu internado no local. Recebeu alta na quarta-feira (5), o engenheiro civil aposentado Alle dos Santos Amed, de 51 anos, que ficou quase 50 dias internado, a maioria do tempo em UTI. “Ele já apresentava um quadro de hipertensão grave, com doença renal crônica e, durante o tempo em que ficou internado, enfrentou desafios como uma insuficiência renal aguda, com necessidade de hemodiálise. Mas hoje ele não tem mais a indicação deste procedimento e nem faz uso de oxigênio”, disse Jorge Rezeck.
Durante a saída do paciente, mais uma celebração: profissionais aplaudindo, violino e a presença de parte da sua família. “Fazemos questão de comemorar a vitória de cada paciente grave. Acredito que seja, além de uma iniciativa para melhorar o astral de todos, uma forma de agradecer a quem nos confiou o seu bem mais precioso: a saúde”, afirmou. E, segundo ele, assim como o agradecimento a cada paciente e suas famílias, é preciso homenagear a todos os profissionais do Hospital São Jorge. “Desde o primeiro caso, todos os colaboradores, desde os cargos administrativos até os que estão na linha de frente do tratamento a pacientes com Covid-19, como médicos, enfermeiros e fisioterapeutas, têm se envolvido de forma muito positiva e colocando isso em todas as suas ações, orações e pensamentos positivos”, disse.
O Hospital São Jorge faz questão de afirmar que todos os pacientes atendidos, seja por qualquer motivo, merecem homenagens. “Nós somos muito gratos pela confiança e estamos sempre buscando melhorar o nosso atendimento em todas as esferas, para todos os pacientes”, afirmou Rezeck.
Altas anteriores
Em maio deste ano, o Hospital São Jorge comemorou a alta de Luciana, de 38 anos, a primeira paciente grave de Covid-19 que a organização atendeu. Ao todo, ela ficou 25 dias internada, 17 dias em ventilação mecânica. Em 24 de julho foi a vez de comemorar a alta do aposentado João, de 66 anos.
A alta mais recente de paciente grave foi a de Alle, que aconteceu em 5 de agosto e que já citamos neste texto

Compartilhe: