Ir para o conteúdo

domingo, 26 de maio de 2024

Artigos

Combater o câncer no grito

Uma excelente notícia foi divulgada dias atrás, uma técnica alternativa não invasiva para cirurgia, quimioterapia e tratamentos de radiação para o câncer, desenvolvida na Universidade de Michigan, obteve aprovação do FDA (Food and Drug Administration dos Estados Unidos), equivalente à nossa ANVISA, para o tratamento do fígado.
A técnica é chamada histotripsia, utiliza ondas sonoras de alta frequência (conseguimos ouvir até 20 kHz, acima disso é chamado ultrassom) para destruir tumores do fígado em humanos. A histotripsia oferece uma alternativa promissora aos tratamentos convencionais contra o câncer e que, muitas vezes, têm efeitos colaterais significativos. A autorização foi concedida à HistoSonics, uma empresa fundada em 2009 por engenheiros e médicos da Universidade de Michigan. A HistoSonics agora pode comercializar e vender sua plataforma de histotripsia, chamada Edison, para hospitais e profissionais médicos para uso em tratamentos hepáticos. A empresa está sediada em Minneapolis, enquanto a pesquisa e desenvolvimento avançados estão localizados em Ann Arbor.
A histotripsia funciona usando ondas de ultrassom direcionadas para formar microbolhas dentro do tumor. As forças criadas à medida que essas bolhas se formam causam a ruptura da massa, matando as células tumorais e deixando os detritos para serem limpos pelo sistema imunológico. Um teste em humanos em andamento desde 2021 no Centro de Câncer e em outros locais tratou pacientes com tumores hepáticos primários e metastáticos via histotripsia, demonstrando a capacidade da tecnologia de atender às principais metas de eficácia e segurança do teste.
No primeiro estudo, mesmo depois de destruir apenas de 50% a 75% do volume do tumor hepático, o sistema imunológico dos ratos foi capaz de limpar o resto, sem evidência de recorrência ou metástases em mais de 80% dos animais.
No início deste ano, um segundo estudo mostrou que a histotripsia quebra a parede das células cancerígenas, expondo os antígenos tumorais para o sistema imunológico identificar e usar para ataques direcionados a outras células cancerígenas. O tempo de recuperação é muito mais curto do que com a cirurgia e menos desconforto no tratamento, pois o tratamento atinge o tumor e não o tecido saudável. A histotripsia depende do foco de ondas acústicas de ultrassom de alta energia para concentrar a energia o suficiente para formar bolhas, e a máquina Edison pode garantir que a região esteja confinada ao tumor. Em contraste, a radiação afeta tudo em seu caminho através do corpo.
E os benefícios potenciais da histotripsia vão além da destruição do tumor. No último ano, um par de estudos pré-clínicos em roedores sugeriu que, no processo de limpeza, o sistema imunológico aprende a identificar as células cancerígenas como ameaças. Isso pode permitir que o corpo continue lutando contra o tumor inicial e ajude a ativar uma resposta imune ao câncer.
Como se pode observar, inovações inesperadas podem ser criadas, novos paradigmas provêm de investimentos massivos em Ciência e a Tecnologia. Um exemplo para os nossos políticos seguirem.

 

 

Mario Eugenio Saturno
(fb.com/Mario.Eugenio.Saturno)
é Tecnologista Sênior do Instituto
Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)
e congregado mariano

Compartilhe: