Ir para o conteúdo

segunda-feira, 24 de junho de 2024

Artigos

Chamar Regime Militar de 64 de golpe ou ditadura expressa ignorância ou postura “bandida”

Quando alguém se refere ao Regime Miliar de 1964 como “ditadura” ou “golpe” significa postura “bandida” daqueles que viveram aquela revolução pedida, em apelo popular, nas ruas do Brasil inteiro.
Quando o cidadão pertence a novas gerações, significa uma verdadeira “lavagem cerebral” praticada por esquerdistas inconformados e teimosos em buscar regime falido, morto e superado como é o comunismo em extinção. Isso é decorrência direta de educação básica ou superior que ficaram deterioradas nas gestões esquerdistas.
A história do Brasil mostra que à época aconteceu, sim, uma Revolução emanada do anseio popular, com governos militares por duas décadas, com a missão cumprida de recolocar nossa nação na rota da Democracia, isenta dos riscos anteriores.
Outra postura distorcida ocorre quando esquerdistas atuais, derrotados por 22 anos de governos nessa nova república, incluindo governos de FHC, Lula e Dilma Roussef, arrepiam-se e se rebelam quando o assunto enfoca fatos daquele período.
De lembranças: avanços nos segmentos econômicos e desenvolvimentistas percebidos em diversos setores, tendo como ponto alto a honestidade na gestão pública, totalmente sem corrupção e sem delapidação do patrimônio público.
Perfil que contrasta com o período recente de esquerdistas, que foi interrompido pelo período de Presidência de Jair Bolsonaro, plena de grandes avanços, de enfrentamento de obstáculos originados pelo mundo e marcado como uma gestão honesta e saneadora. Recolocou o Brasil no seio das grandes nações da atualidade.
Testemunho exemplar de que o Regime Militar foi respeitado pelo mundo inteiro, podem ser lembradas presenças de visitas ilustres como a da Rainha Elizabeth II na gestão do Presidente General Costa e Silva, numa demonstração de que tal regime militar pode perfeitamente conviver com as outras modalidades de democracia.
Nos dias atuais acontecem visões muito interessantes. Metade do País não aceita a conturbada e discutida vitória da outra parte, acusada de graves suspeitas.
Agora, o que é interessantíssimo. Hoje, hoje, hoje as Forças Armadas são vistas, conclamadas pelas massas nas ruas OUTRA VEZ. Os mais antigos, vivemos esses momentos em nossa juventude.
Quem é da época, pôde testemunhar o valor histórico da Revolução de 1964 e NÃO DO IMPRÓPRIO, COVARDE E MENTIROSO chamamento de golpe ou ditadura. Soa ingratidão, por um lado, e frustração por terem livrado o País de um comunismo, então, fadado ao sumiço, exatamente como está hoje.
Isso é o ciclo da vida com suas histórias. Quase 60 anos para provar uma verdade e merecendo nos dias de hoje o respeito, tornando-se (NOVAMENTE) esperança para resgatar a Liberdade e a verdadeira Democracia de um povo.
Sim. Agora desnecessário voltar a comandar por 24 anos como foi no passado. Mas, estritamente para recolocar a Constituição, a Ordem e a Lei na vocação do Brasil como uma esperança para o mundo. E, lógico, não por ideais claramente incompetentes.
Deus há de colocar suas Mãos em instâncias respeitadas e disponíveis para fazer o acerto. O que precisa é estarem dispostas à sublime missão.
É o que esperamos.

 

 

Dr Fauze José Daher
Médico / Cirurgião
Advogado

Compartilhe: