quinta-feira, 26 de novembro de 2020

Artigos

Cancelamento (outra vez) do debate: Erro técnico ou manobra política?

Quando a expectativa na cidade era grande para se poder decidir o seu futuro administrativo, eis que chega a notícia do cancelamento (atrasada em 2 horas) num triste e crítico desrespeito à população, inclusive pela demora do anúncio.
O desrespeito fica por conta de diversas razões. Primeiro, por atingir a população, que é dona da concessão dada aos usuários do canal televisivo, denotando uma de duas falhas gritantes.
Ou incompetência técnica de fazer a imagem do evento. Que não acredito. Ou o possível envolvimento de interesse escuso e incabível no processo eleitoral. Nessa altura, existem imagens (gravadas em bastidor) de acusações a essa ou à outra candidatura. Nessa altura, chama atenção o conflito interno entre direção e funcionários da emissora, que ganhou domínio público.
Se de um lado há imagens da claque de determinada candidata comemorando o cancelamento do evento, de outro há candidato a vereador acusando o fato por conta de amizade da direção do canal com determinada candidata.
Comemorar cancelamento de debate significa fugir de prova de fogo que pode revelar despreparo, insegurança, mentiras e descompromisso com o dever público.
De concreto (mesmo), o grave desrespeito ao público, sendo assim tratado como figura secundária, desprezível e vítima, mais uma vez, de abuso no uso de sua propriedade intelectual e educativa que é a própria emissora TV Vale de Barretos.
Traz saudades do empreendedor com o perfil do Juninho Soares de Oliveira, hoje muito distante desse emaranhado de coisas esquisitas que desvanecem uma conquista que poucas cidades no Brasil puderam ter em idos 30 anos de atividade cultural.
O grande paradoxo: uma TV Educativa, de mais de 30 anos de existência, em cidade de 80 a 120 mil habitantes, sendo tratada de forma tão relaxada ou perniciosa em evidente desprezo aos avanços que traz a modernidade.
Hoje não há dúvida: o jogo de interesse, de figuras que se escondem no bastidor e agora afloram nitidamente visando tomar a qualquer custo a Prefeitura de Barretos. Isso precisa ser analisado e levado em consideração pelo eleitor no momento da escolha e do voto. Assim como do órgão fiscalizador da função pública da emissora, que é o Ministério Público, fiel escudeiro do interesse da população.
Vale revelar um fato aos mais novos: em debate à candidatura a Prefeito de Barretos, em 1.992, um de meus opositores Dr. Nelson James me perguntou no bastidor do debate: “Fauze, V. vai usar de fatos pessoais durante o debate?”
Eu respondi, até contrariando a vontade do meu grupo de marketing: “Não. Fique tranquilo…a dignidade pessoal ou profissional serão respeitadas, sob qualquer custo.” A perda da eleição pode ter sido o custo…porém, o respeito ao colega e ao público ficou preservado.
Vale também registrar a participação ética, correta e respeitosa que tivemos do outro ilustre candidato, Dr. Hélio Navarro, meu Mestre em Direito Civil e figura respeitada de nossa comunidade. Bons tempos….
Enfim, o jogo está sendo praticado por figuras com forte interesse, pouco se preocupando com o interesse coletivo da grande população. Aqui me junto como voz de protesto, meramente como cidadão não candidato, sem partido, (sem declaração de voto) mas com experiência para enxergar a verdade por trás desses fatos.
Conforme já se apresentou um diretor de emissora , oferecendo-se para sediar o debate, torna-se claramente um campo parcimonioso porque é considerado parte interessada no pleito eleitoral, jamais devendo estar envolvido nessa porfia. Haja vista a abertura de espaço dado a pesquisa considerada questionada já em algum momento. É totalmente contra o interesse da população empurrar o debate para dia 12, conforme sugeriu o diretor.
A hora é logo agora (essa semana) em respeito ao que já aconteceu.
Sugeriria que os candidatos unidos, cotizassem a realização do debate, por profissionais contratados de comum acordo, neutros, a ocuparem o “espaço” da própria TV Vale a ser cedido enquanto interesse de Estado ou, por que não, o espaço e estrutura televisiva da Câmara Municipal?
Barretos merece muito mais!

Dr Fauze José Daher
Médico/Cirurgião da Santa Casa de Barretos
Advogado
Vereador Constituinte – 1.989

Compartilhe: