terça-feira, 20 de outubro de 2020

Artigos

QUESTÃO DE VISÃO

Bom Dia Barretos.

Tudo na vida é uma questão de visão. Posso olhar e ver o céu ou, se preferir, olhar e enxergar o inferno. É o quadro que se apresenta hoje, com o coronavírus, tudo dependendo da maneira de olhar.
Todos concordam que 80% dos infectados terão um quadro gripal que até passará despercebido. O último boletim fornecido pelo Ministério da saúde fala em 9.056 casos positivados e 359 mortos, e focam em cima dos 359 mortos em vez de alardearem que 8.697 se curaram, mais ainda, que 127 pacientes graves se recuperaram e tiveram alta.
Se considerarmos que 80% nem apresentaram sintomas mais severos, podemos concluir que só uma minoria teve complicações mais agudas, número infinitamente menor que o provocado por outras doenças, o que nos leva a questionar, o por que de todo esse terror implantado no espírito da população, levando muitos à depressão, quando não crises de pânico, e tudo comandado pela rede globo de televisão.
O H1N1 matou mais, a dengue matou mais e não tivemos esse auê todo. O que levou o senhor governador de São Paulo a determinar que todos os casos de morte sem diagnóstico definido, devam ser atestados como covid19. Baseado em que? Simplesmente vai distorcer as estatísticas. Isso não é cientifico, nem apoiado pelos estatísticos. Qual a justificativa então? Apenas para dar sustentação às suas medidas, muitas delas, questionáveis e em prejuízo da grande maioria da população.
E, em Barretos, o que se pode dizer do decreto de calamidade pública publicado, alegando necessidade de combater à dita epidemia do corona-vírus, sem uma morte sequer em Barretos e região, e com 80% dos leitos de UTI desocupados. E a falar então em construção de hospital de campanha. Para que? Só se for para atender segundas intenções. A única calamidade pública em Barretos é a administração municipal. Apesar dos holerites premiados, das licitações questionadas em CPI da câmara, agora querem um cheque em branco, sem qualquer tipo de fiscalização para gastar ao seu bel prazer.
Alegam que seria importante para dar continuidade às obras da rodoviária, como se isso tivesse qualquer ligação com o covid-19. Que pena! Estão usando a doença para justificar o injustificável. O remédio tem que ser dosado, senão o medicamento pode tornar-se veneno.
E o prejuízo, esse sempre foi e continuará sendo do povo. Salve nos DEUS.

Bom Dia Barretos.

Compartilhe: