Ir para o conteúdo

segunda-feira, 24 de junho de 2024

Artigos

Beatificação de Isabel Cristina: “Respeito da dignidade das mulheres”

No dia 10 de dezembro, o Cardeal Raymundo Damasceno Assis, arcebispo emérito de Aparecida (SP), presidiu à solene cerimônia de Beatificação da Serva de Deus, Isabel Cristina, no Santuário Nossa Senhora da Piedade, em Barbacena (MG). A jovem brasileira foi brutalmente assassinada, aos 20 anos, em 1982, em Juiz de Fora, por um homem que montava um guarda-roupa em sua casa. Em outubro de 2020, o Papa Francisco reconheceu seu martírio. Mas, devido à pandemia, somente hoje foi possível a celebração de sua Beatificação.
Em sua reflexão, Dom Raymundo partiu da passagem evangélica da liturgia do dia, onde Jesus adverte seus Apóstolos: “Não tenhais medo daqueles que matam o corpo, mas não podem matar a alma”. Com esta admoestação, com a qual Jesus demonstra seu incessante cuidado conosco, ressoa em nossos corações, para que não sejamos impotentes diante do mal.
Esta foi a atitude de Isabel Cristina, durante seu brutal assassinato, em 1º de setembro de 1982. A jovem, de apenas 20 anos, não temeu quem estava para matar seu corpo, mas não a sua alma. Mas, este cruel acontecimento não significa uma vitória da violência e do mal sobre a paz e o bem. Ela simplesmente não temeu, por isso recebeu a palma do martírio: “O sangue dos mártires – segundo Tertuliano – é a semente de novos cristãos”. Aqui, Dom Raymundo referiu-se aos que poderiam perguntar: Não é uma insensatez classificar o martírio como um dom de Deus? E citando Santo Oscar Romero, Bispo e mártir salvadorenho, disse: “O martírio é uma graça de Deus, que eu não mereço. Com o sacrifício da minha vida, espero que meu sangue seja semente de liberdade e sinal de que a esperança se tornará realidade”.
Dom Raymundo concluiu sua homilia pedindo à nova Beata Isabel Cristina que nos ajude a renovar nossa adesão ao martírio, na fidelidade ao Evangelho, conformados a Cristo. “Que seu exemplo nos proporcione coragem de aceitar as cruzes, os sofrimentos, as angústias e as dores de nossa vida de cada dia. Se estivermos com Jesus, mártir por excelência, Mártir dos mártires, nada devemos temer!”, disse.
Fonte: Vatican News

Compartilhe: