Ir para o conteúdo

quarta-feira, 19 de junho de 2024

Artigos

Banco Central peita o governo

Os bancos centrais do Brasil e dos Estados Unidos tomaram nesta semana decisões de grande impacto macroeconômico — e político.
Apesar da impressionante pressão do governo Lula por uma derrubada imediata dos juros básicos (Selic), o Banco Central do Brasil manteve os 13,75% ao ano, como se esperava, decisão que pode ser interpretada como franco desafio ao governo.
No comunicado divulgado logo após a reunião, o Copom deixou claro que um dos mais importantes fatores de risco de alta para o cenário inflacionário é a incerteza que ronda sobre o arcabouço fiscal, ainda não divulgado pelo governo. E avisou que “conduzirá a política monetária (política de juros) necessária para o cumprimento das metas”.
O governo Lula quer juros substancialmente mais baixos para baixar o custo do crédito e acionar a retomada da atividade econômica e do emprego. Ou seja, quer que o Banco Central não maneje a política monetária apenas para conduzir a inflação para a meta, como está na lei, mas com objetivo contracíclico — para reverter a estagnação da economia.
O Banco Central, por sua vez, apega-se a seu mandato, que é o de combater a inflação, que tem hoje entre suas principais causas a excessiva expansão das contas públicas.
A depender do presidente Lula, as despesas correrão soltas. Para ele, gastos com saúde e educação deverão ficar fora do teto. O problema é que não são apenas despesas com saúde e educação. São também as de Bolsa Família, habitação popular, saneamento, combustíveis, emendas do relator e outras mais. Inúmeras distorções podem sair do baú e saltar para o imponderável e para a irresponsabilidade fiscal.
Os juros não são o problema de fundo, embora o governo não pense assim. Não seria um recuo de uns pontinhos na Selic que garantiria essa retomada esperada. Tendem a se intensificar agora as pressões políticas para o mergulho dos juros a canetadas, como no tempo da “presidenta”.
O Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) tinha preparado a opinião pública para uma puxada nos juros básicos (Fed funds) de pelo menos 0,5%. Mas, em apenas duas semanas, foi obrigado a desacelerar para um aumento de apenas 0,25 ponto porcentual, para tentar conter a fogueira que ameaça se espalhar sobre as finanças dos bancos regionais, insuflada pela alta dos juros. A prioridade escolhida pelo Fed foi o combate à inflação, que oscila nos Estados Unidos em torno dos 6% ao ano. E não ficou claro se essa opção foi a mais correta, num momento em que a ação dos bombeiros se torna mais importante do que a da arrumação da casa.

 

 

Celso Ming é comentarista
de economia

Compartilhe: