Ir para o conteúdo

terça-feira, 17 de outubro de 2017

Artigos

AUTISMO: AS DIVERSAS FACES DESTE COMPLEXO UNIVERSO

Em 2016, foi divulgado que 1% da população mundial ou 1 em cada 68 crianças apresentam algum transtorno do espectro autista. O autismo é o distúrbio de desenvolvimento mais conhecido e vem sendo estudado há quase seis décadas. É caracterizado por diferentes níveis de prejuízo na interação social, comunicação, aprendizado e capacidade de adaptação. Atinge 4 vezes mais pessoas do sexo masculino e pode ocorrer em famílias de diferentes raças, credos ou classes sociais.

As causas do autismo são desconhecidas, porém existem algumas hipóteses relacionadas a anormalidades em certas estruturas do cérebro de origem genética e problemas relacionados à gestação ou no momento do parto. Geralmente, o autismo manifesta-se desde os primeiros dias de vida, mas são comuns relatos de pais sobre períodos de normalidade anteriores à manifestação dos sintomas.

Os primeiros sintomas que chamam a atenção da família são de crianças excessivamente calmas e sonolentas, que chora sem consolo por períodos longos de tempo, bebês que não gostam de colo, que não aprendem a se comunicar com gestos, ausência de contato visual e presença de movimentos repetitivos com as mãos ou com o corpo. A avaliação do quadro clínico é a principal forma de diagnóstico,através de critérios pré-definidos, escalas e questionários estruturados.

A escolha do tratamento depende do grau de autismo, mas basicamente é focado no desenvolvimento de comportamentos funcionais e redução dos comportamentos inadequados, com base em técnicas e métodos fundamentados em princípios comportamentais.

Os principais tratamentos utilizados atualmente são o psicoterápico, baseado na estimulação da criança através de técnicas de modificação do comportamento; a terapia comportamental, que consiste em modificar os comportamentos inadequados, substituindo-os por outros mais funcionais; o TreatmentandEducationofAutisticandRelated Communication HandcappedChildren (TEACCH), que combina diferentes materiais concretos e visuais e auxilia na estruturação de um ambiente e da rotina; o Sistema de Comunicação por Troca de Figuras (PECS), onde figuras facilitam a comunicação e a compreensão, estabelecendo uma associação entre a atividade e o símbolo; e o tratamento medicamentoso, que é para melhorar outros sintomas que podem estar associados ao autismo, tais como comportamentos repetitivos, estereotipias, desatenção, irritabilidade, hiperatividade, impulsividade e alterações no sono.

Apesar do autismo ser um distúrbio conhecido e com evidências de tratamentos eficazes, como todo problema neurológico, enfrenta muitos preconceitos, principalmente em relação à inclusão social, por isso, em 2007, a Organização das Nações Unidas (ONU) decretou o dia 2 de abril o dia mundial de conscientização do autismo eneste dia, vários pontos turísticos em todo o mundo ficam iluminados pelacor azul.

É muito importante que os pais e familiares se atualizem sobre o autismo, através de filmes, documentários, livros e artigos. Quanto mais cedo for diagnosticado, mais eficaz será o tratamento.

 

Ayná Cristina Oliveira dos Santos

Taciane Dias Ferreira

Curso de Farmácia

Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos/ UNIFEB

Compartilhe: