Ir para o conteúdo

quarta-feira, 24 de julho de 2024

Artigos

Até que a morte nos separe!

Abri um livro, era uma vez? era a protagonista, será fictício acreditar no felizes para sempre …

No faz de conta, na saúde e na doença, na riqueza e na pobreza, no……

Abri a página ….

A Página que dizia …

Todo dia as 06:00, via você correndo pegando tudo para ir ao serviço, corria depressa ao ponto de me dar só um beijo e ir correndo …

Levantava, trocava de roupas, tinha os serviços da casa e as crianças pra cuidar,

Levar na escola, médico, balé …

Ao entardecer você chegava, não jantava junto pois tinha reuniões online, enfim Acabara dormindo pois cansada dos afazeres não conseguia te esperar.

Os passeios, nunca podia ir!

Entendi então tudo isso até acordar e não ver você do meu lado pois disse adeus desesperado me deixando, abandonando, não pude amar, achei que era minha culpa mas entendi, entendi que a fuga era de você mesmo com seu próprio amor de si mesmo!

Então ….

Até que a morte nos separe…

Não fechei minha história, escrevi outra página, a página do faz de conta de verdade, do amor próprio, da auto estima, do acreditar em si mesmo.

Acho que, fim….

Texto baseado no livro amores líquidos sobre as fragilidades humanas. Livro por Zygmunt Bauman.

Natália Macedo, professora, escritora e poetisa

Compartilhe: