Ir para o conteúdo

sábado, 07 de setembro de 2013

Artigos

As chagas de Cristo

Quando admiramos e amamos a Humanidade de Jesus e pensamos no escândalo da Cruz, que hoje é motivo de reflexão para todo cristão, nos vem à mente, especialmente as Suas Chagas.
Como as pombas que se abrigam as fendas das rochas durante a tempestade, diante de tanto erro da humanidade devemos também nos abrigar dentro das feridas de Jesus para nos purificarmos e nos fortalecermos com Seu Sangue precisíssimo, e sermos suas testemunhas no meio dos homens.
Entretanto, não julguemos que neste esforço de oração, de contemplação e intimidade com Cristo, as paixões ficam definitivamente aplacadas para nós.
Seria uma ilusão supor que a ânsia de procurar o Salvador, a realidade do seu encontro e do seu convívio, bem como a doçura do seu amor, nos transformam em pessoas impecáveis.
O mal continuará a nos assediar e tentará sempre nos levar à queda, mas quando isso ocorrer voltemos a nos abrigar nessas fendas divinas, abertas no Corpo de Cristo pelos cravos que o pregaram na Cruz e pela lança que lhe atravessou o peito.
Esse estado de espírito e de intimidade como o Salvador, desperta em nós a real união que devemos viver com os irmãos, reaviva em nós a filiação divina, e a irmandade com Jesus, faz renascer em nossa alma o Amor.
Nosso Senhor quer que contemos com Ele para tudo; sabemos, com toda a evidência, que sem Ele nada podemos, e com Ele podemos tudo.
A partir deste dia de dor e de alegria, confiantes nas promessas do Mestre, procuremos nos abrigar nos pontos onde mais O fendemos suas chagas e tudo poderemos por Sua Graça, Sua Misericórdia, Seu Amor.

Compartilhe: