Ir para o conteúdo

domingo, 19 de janeiro de 2014

Artigos

AMOR MAIOR

A fala e insistência demasiada sobre um determinado assunto denota, geralmente, a instalação de uma crise. A realização de campanhas, por exemplo, sinaliza que o público-alvo não é atingido, não responde satisfatoriamente.  Dentre tantas, chega até nós a campanha que empunha a bandeira do amor. Outdoors, músicas, filmes, tudo e todos falam sobre amor. Enquanto muitos cantam: "é preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã", outros advogam: "o amor acabou, jamais amarei alguém, pelo que sofri não amo mais".
Esta realidade oferece oportunidade ímpar para reflexão. Tanto os favoráveis quanto os contrários, incorrem no mesmo erro, ao colocar o próprio amor como referência absoluta para amar. Investimos pouca atenção, evitamos e não admitimos lidar com as limitações do nosso amor, impostas naturalmente pela condição humana, história pessoal, referências familiares e culturais.  Na busca pelo amor eterno, erramos ao conduzir-nos por critérios falíveis, os nossos. Exigindo que o outro se submeta à medida do nosso amor, abraçamos a decepção e radicalizamos. O "que seja eterno enquanto dure" expressa bem esta humilhante condição. Para amar genuinamente, devemos nos abastecer na fonte que jorra amor genuíno.
O mandamento expressa consciência da existência do Amor Maior, Amor criador de todas as coisas, Amor que cria o ser humano Sua imagem e semelhança. Deus é fonte de amor inesgotável e eterno. Como amar genuinamente, ser feliz de verdade, sem comunhão com este Amor Maior?
"Amai-vos como eu vos amei". Jesus, Amor de Deus feito homem, nos ama gratuitamente, de forma plena e total; não impõe, não exige provas, ama incondicionalmente. O amor de Jesus é a referência para amar a Deus, para amar o outro e a nós mesmos. O exercício deste amor acontece na liberdade, como dever natural, não por imposição; o exercício deste amor gera partilha, doamos o que somos e temos, recebemos o que o outro é e tem. "Permanecei no meu amor", Ele recomenda. Este voo só pode ser alçado à luz da fé.
Amemos com todo nosso ser, nosso entendimento, nosso coração e nossa força. Busquemos e abasteçamo-nos na fonte inesgotável, o Amor de Deus, amando como Jesus. Caminhemos para o Amor, razão e sentido último de nossa existência. Quero o Amor Maior, Amor Maior que eu, Amor Maior que o meu! 
 
Ivanaldo Mendonça
Padre, Pós-graduado em Psicologia

Compartilhe: