Ir para o conteúdo

sexta-feira, 15 de outubro de 2021

Artigos

Amar acima de tudo

Prestes a concluir o tempo pascal temos a oportunidade de recapitular a mensagem central deste período cujo principal propósito é favorecer aos cristãos católicos aprofundar a experiência de fé no Cristo Vivo, considerando suas várias dimensões (pessoal, familiar, eclesial, social e universal). Nesse sentido, cada batizado e toda a Igreja reafirmam, fortalecem e amadurecem na fé tendo em vista ser no mundo presença viva do Cristo Vivo. O tempo pascal configura-se como a primavera da fé celebrada a cada ano.
O ponto de partida desta caminhada primaveril consiste no evento central da fé cristã católica: paixão-morte-ressurreição de Jesus. A Ressurreição proclamada no dia de Páscoa é a palavra definitiva de Deus que, em Cristo, vence definitivamente, o pecado e a morte, reabrindo a cada homem e a toda a humanidade as portas da eternidade. O tempo pascal como que desenvolve o conteúdo, sentido e significado desta verdade de fé cujas raízes estão fincadas no amor de Deus.
A Ressurreição eterna é conseqüência da experiência do renascimento diário por Cristo com Cristo e em Cristo. O pecado e a morte vencidos, no empenho do dia-a-dia, sob a luz de Cristo preenche-nos de Sua paz e misericórdia fazendo de nós, misericordiosos também. Acolher o Ressuscitado e Seu projeto de amor exige abertura do coração e disposição para superar os entraves próprios do racionalismo que busca impor-se como verdade última, favorecendo o crescimento e amadurecimento na fé.
O equilíbrio resultante do caminhar á luz de Cristo Vivo permite-nos superar o medo extremo, que gera depressão e a euforia extrema, que gera ansiedade. Nos braços do Bom Pastor somos acolhidos, amados, curados, resgatados e podemos descansar. A cura das dores e feridas passa, necessariamente, pela aceitação da realidade humana a partir de suas belezas, limites e imperfeições. Só assim, assumindo e amando nossa história é possível transformá-la, continuamente, em vida nova, até desaguarmos no grande mar do amor de Deus, a eternidade.
Como os ramos unidos a videira, que é Cristo, somos desafiados á ser pessoas de comunhão, realidade que vai da integridade interna á contribuição para que relacionamentos maduros, solidários e fraternos se efetivem em todos os âmbitos e dimensões da existência humana. Permanecer em Cristo é optar pelo amor e por amar diante de toda e qualquer situação; esta decisão consciente, livre e responsável é fundamental a todo aquele que, de fato, opta, com convicção pelo seguimento fiel de Jesus Cristo. Amar acima de tudo é um dom pascal!

Ivanaldo Mendonça
Padre, Pós-graduado em Psicologia

Compartilhe: