Ir para o conteúdo

domingo, 18 de maio de 2014

Artigos

ACORDA BRASIL

Bom Dia Barretos. 
Nós, que vivenciamos o período de agitação que antecedeu o golpe militar de 1.964, estamos  sentimos um frio na espinha, com o quadro semianárquico que o país está sendo levado a trilhar. 
Um grupo de agitadores mascarados e escondendo o rosto, pois sabem o mal que estão fazendo ao País, e se denominando adeptos da tática “Black bloc”, destroem mobiliário urbano, ateiam fogo em ônibus, ônibus que a população utiliza, quebram vidraças, invadem lojas e as saqueiam, sob os olhares atônitos de uma população ordeira e assustada. 
Pior ainda, constatamos uma inércia governamental, que só serve para estimular cada vez mais, tais atos danosos à imagem do País e à sua economia. Creio mesmo, que tal inércia sirva como estimulo a tais atos, frente a governos federal, estadual e municipal, acovardados temendo as consequências eleitorais de uma ação mais enérgica. 
Tem coisas erradas acontecendo no País? Claro que as tem! E as temos desde o nosso descobrimento. As manifestações podem ocorrer? Claro, pode e deve, desde que dentro da legalidade e respeitando os direitos alheios e o bem público comum. O que não pode e não deve, é ter governantes acovardados deixando a segurança do povo ao léu. A imagem do País no exterior vem sendo corroída, dia após dia, diante de um governo atemorizado. 
Se os, “Black bloc”, usam táticas de guerrilha, cabe ao governo contrapor a elas, suas próprias táticas, como fez um grande guerreiro japonês chamado Nobunaga. Conta a história que Nobunaga decidiu atacar o exército  inimigo, apesar de contar com apenas um décimo do número de soldados do adversário. Tinha, porém esperança e convicção da vitoria, pois confiava na sua estratégia e na eficiência das suas táticas de guerra. O grande problema estava nos seus soldados, cheios de dúvidas e receios, diante do tamanho descomunal do inimigo. Muitos se recusavam a combater, por acharem que não valia a pena. Nobunaga então, disse aos seus homens. Vou ao templo rezar e pedir conselho. Ao voltar jogo uma moeda para cima, se cair cara é porque o destino nos reserva a vitória, e, então podemos ir para o combate sem medo. Se sair coroa é porque vamos perder, e, então, desistimos da batalha. Assim fez e ao voltar, jogando a moeda para cima saiu cara. Os soldados , entusiasmados com a boa sorte que o destino lhes reservara, lutaram com ardor e determinação, e apesar da posição desvantajosa, conseguiram sair vitoriosos. No final da batalha, o ajudante de Nobunaga, orgulhoso da vitória conquistada, comentou com o grande guerreiro: – Ninguém pode mudar a força do destino. Lutamos com tão poucos homens e, mesmo assim ganhamos. Então Nobunaga, sem nada lhe responder, sorriu apenas e, em segredo, contemplou as duas faces da moeda da sorte utilizada. Ambas eram cara, pois a moeda tinha sido por ele, previamente duplicada, possuindo a cara impressa nos dois lados. 
Foi simplesmente a confiança e a certeza da vitória que a fez acontecer. Será que a inércia do governo diante de tais agressões, à sociedade brasileira, praticada pelos “Black bloc”, não servirá apenas para incentivá-los a praticar atos, ainda mais violentos durante a copa? E, quem ganha com isso? Ninguém, apenas os baderneiros, que não estão preocupados com a imagem do Brasil no exterior, e, muito menos com o prejuízo financeiro que estão causando, ao afugentar turistas pelo medo, investidores pela quebra da confiança no País, suspendendo as reservas nos hotéis e maculando nossa imagem como Pátria e como sociedade civilizada, preparada para grandes eventos. 
Porque a inércia então? Pela proximidade das eleições? Por medo? O Brasil é muito grande para deixar que uma minoria subverta a ordem, e projete para o exterior uma imagem negativa de nossa Pátria. Volto a repetir, existem coisas erradas  ocorrendo no País? Existem sim e que precisam ser corrigidas, mas roupa suja se lava em casa e não diante de uma plateia e com transmissão ao vivo para todo o mundo. 
Agora é hora de fazer como Nobunaga, esquecer as divergências, as rixas e os embates políticos, convocar todos a apostar no Brasil, juntar nossas forças e, depois da copa, com a imagem de um País preparado para os grandes desafios e os grandes eventos, então projetada ao mundo, internamente acertar os rumos de nosso desenvolvimento com seriedade, justiça, respeito às leis e principalmente ao erário público. 
Acorda autoridades! Acorda Brasil!
 
BOM DIA BARRETOS.

Compartilhe: