Ir para o conteúdo

segunda-feira, 04 de março de 2024

Artigos

A vingança rebaixa a pessoa à figura do ofensor

Já nos foi ensinado que é o perdão que engrandece uma pessoa. Muitos não sabem isso e, se lhes foi ensinado, não quiseram aprender. Daí surgem os atos vingativos de todos os tipos, desde os mais simples como entre crianças que uma empurra a outra porque também foi empurrada, até os assassinatos mais hediondos.
O índice de violência entre os seres humanos, que têm a liberdade de poder escolher entre o Bem e o Mal, desde os primórdios de seu surgimento na face da terra, é estratosférico. Na cultura popular, são vários os provérbios e ditos sobre atos vingativos à espera de oportunidade de serem praticados, alguns até espirituosos, mas que não deixam de exemplificar a sua sordidez. Exemplos: “A vingança é um prato que se come frio”, isto é, a vingança não deve ser de imediato, mas precisa-se esperar um tempo oportuno. “Um boi para não entrar numa briga, uma boiada para não sair”; “O mundo dá voltas”; “Um dia você vai precisar de mim”; “Sou bonzinho (boazinha), mas não pisa no meu calo”; “Bateu, levou”; “Olho por olho, dente por dente”.
Daí tantas desavenças, tantos processos civis e penais aos milhões, pedidos de indenizações, prisões e pedidos de justiça que beiram à desumanidade, do tipo: “quero que apodreça na cadeia”, que “seja torturado até à morte”, e por aí em diante.
Setenta vezes sete – a expressão 490 vezes, utilizada por Jesus em resposta aos apóstolos, representados por Pedro, demonstra com clarividência a condenação divina a qualquer ato de vingança, por menor que seja. É um dos pontos-chave da oração do Pai Nosso. É o que Jesus ensina sobre uma das condições de seu Pai receber de bom grado as ofertas de seus filhos, pois não serão aceitas se a pessoa ainda não perdoou quem a ofendeu.
Por fim, não custa lembrar que Deus é mesmo bastante enfático neste ponto: só terá a sua divina misericórdia, pois ele está sempre pronto a perdoar, quem também usar de misericórdia para com seu irmão e sua irmã. Caso contrário, não será também perdoado(a).

 

(Por: Diácono Lombardi)

Compartilhe: