Ir para o conteúdo

sábado, 22 de janeiro de 2022

Artigos

A relação entre sono e alimentação

Olá!
Além do fato de serem necessidades fisiológicas, sono e alimentação têm uma relação importante. Pesquisas sugerem que os alimento consumidos podem afetar o sono, assim como os padrões de sono tendem a afetar as escolhas alimentares.
Há evidências de que as pessoas que apresentam um sono ruim costumam ter dietas de pior qualidade, com menos proteínas e fibras, consumindo maior quantidade de ultraprocessados, amido, gordura saturada e açúcar. Já os indivíduos que dormem pouco (menos de 4-5 horas por noite) procuram por dieta mais calórica, na tentativa de consumir mais energia, que é exigida pelo organismo para compensar o débito de sono. Mas esses alimentos interferem no sono, deixando o sono mais leve e muitas vezes, fragmentado.
Um estudo que acompanhou 1.596 pessoas com 60 anos ou mais de idade mostrou que a adesão a dieta mediterrânea teve repercussão positiva na duração e qualidade do sono. Ela é baseada no alto consumo de frutas frescas, hortaliças verdes e amarelas, cereais, legumes, oleaginosas, peixe, leite e derivados, vinho e azeite de oliva, além de preconizar o baixo consumo de carnes vermelhas, gordura vegetal e produtos industrializados.
Os alimentos ricos em triptofano e/ou vitamina B e magnésio ajudam a promover sono com boa qualidade pois estão envolvidos na síntese de melatonina (fundamental na indução e manutenção do sono) são eles: peixes, peru, ovo, nozes, castanhas, leguminosas (feijão, lentilha, soja), semente de abóbora, arroz integral entre outros.
Mais uma vez, como dizia Hipócrates, que o remédio seja seu alimento, e que seu alimento seja seu remédio!
Um ótimo domingo e até o próximo!

Daniele Rezek
Cardiologista
CRM 145.887 | RQE 64.850

Compartilhe: