Ir para o conteúdo

segunda-feira, 04 de março de 2024

Artigos

A inocência do Carnaval

Bom dia, Barretos!
Que saudades do carnaval de outrora, quando se ia aos salões com a família, brincando entre confetes e serpentinas, e de vez em quando usando o lança perfume para atingir eventualmente alvos especiais. O carnaval passou por muitas mudanças ao longo dos anos. Saímos do carnaval inocente onde a alegria predominava nos salões, e se brincava sem as malicias dos tempos atuais. Saímos do carnaval dos clubes para o carnaval dominado pelo excesso de bebidas e de consumo de drogas, nas ruas, cordões e salões especiais onde o mais importante não é o divertimento sadio, mas sim dar vazão a instintos animalescos. A nossa quarta-feira de cinzas era marcada pelo cansaço físico e povoada de agradáveis lembranças, ao contrário de hoje, onde se arrepende dos excessos cometidos e suas consequências. Principalmente de suas consequências que muitas vezes levam a quadros depressivos, crises familiares e até às vezes denúncias e processos penais. Saímos do carnaval inocente para o carnaval da malicia, desregrado e que deixa cicatrizes em nossas vidas. Saímos das marchinhas inocentes que alegravam os salões, para música eletrônica ou conjuntos frenéticos. As marchinhas foram substituídas por arranjos musicais inspirados em fatos da atualidade. Os cordões animados que desfilavam pelos nossos clubes, eram formados por associados amigos e familiares e disputavam prêmios nos clubes pela melhor fantasia e mais animados. Hoje os cordões de ruas aceitam todos, é só pagar pelo abadá e pronto. Não se sabe quem é o cidadão, suas intenções, quais seus princípios e sua conduta moral. Vai começar o carnaval, é bom alertar nossos jovens do perigo que representa exagerar no álcool a ponto de perder o seu controle mercê das circunstâncias. Não aceitar bebidas oferecida por terceiros que muitas vezes adicionam produtos que levam a praticar atos dos quais não se lembrará amanhã mas deles se arrependera pelo resto da vida. Tenha um bom carnaval, cumpri meu papel em alertar pelos perigos, agora é com você.
Bom dia, Barretos.

Compartilhe: