Ir para o conteúdo

sexta-feira, 19 de abril de 2024

Artigos

A incapacidade de abordar as causas da má saúde da população coloca pressão sobre os serviços de saúde

A narrativa em torno da saúde centra-se na necessidade de aumentar a capacidade, o pessoal e o financiamento do sistema para permitir que os serviços de saúde respondam melhor ao aumento da procura. Embora o sistema de saúde brasileiro necessite de serviços de saúde com recursos adequados, eficientes e eficazes, as soluções para reduzir a pressão sobre os serviços de saúde exigem que os governos se concentrem em conter o fardo crescente dos problemas de saúde.

Apelamos aos governos para: reconhecer que a boa saúde e o bem-estar da população, juntamente com o combate às alterações climáticas e à degradação ambiental são cruciais para um futuro sustentável; promover maior igualdade na saúde e combater as desigualdades; reconhecer que os sistemas de saúde que funcionam bem são importantes, mas os principais determinantes da saúde e do bem-estar estão fora dos cuidados de saúde; priorizar a saúde e o bem-estar da população ao longo da vida nas decisões políticas; incorporar métricas de saúde e bem-estar da população em medidas de progresso e desempenho nacional.

A saúde da população do Brasil está diminuindo e as desigualdades na saúde estão aumentando. Isto é muito mau para os indivíduos afetados, para os serviços de saúde que os tratam e para a produtividade e prosperidade futura da nação.

Também tem as implicações transgeracionais, uma vez que a má saúde dos pais tem consequências adversas para as crianças, alimentando ainda mais repercussões para o futuro bem-estar e prosperidade nacionais. Este ciclo vicioso é inevitável sem ação.

Não pode haver desculpa para a inação, uma vez que a ciência está proporcionando uma compreensão profunda e crescente dos determinantes causais da saúde, o que poderia e deveria constituir a base de políticas eficazes para quebrar este ciclo destrutivo.

A piora da saúde da população aumenta as pressões de longa data que o sistema de saúde brasileiro vem enfrentando através do fracasso sustentado em resolver a escassez de mão de obra, infraestruturas em ruínas, perdas de moral e financiamento direcionado de forma equivocada. É, portanto, imperativo que a saúde da população seja um foco político primário para governo.

As soluções para reduzir a pressão sobre os serviços de saúde estão predominantemente fora da sua competência. Embora o Brasil precise de serviços de saúde com recursos adequados, eficientes e eficazes, também precisa de um foco sério e sustentado em conter – e não apenas em reagir – a crescente carga de problemas de saúde.

Mara Machado é CEO do Instituto Qualisa de Gestão (IQG)

Compartilhe: