terça-feira, 27 de outubro de 2020

Artigos

A Educação Básica no Período Transitório

Estamos vivendo um período da história da humanidade em que as pessoas em todas as partes do mundo estão apreensivas e temerosas pela pandemia do covid-19. Neste momento, grande parte das pessoas perderam o direito de ir e vir, tornando-se obrigadas a ficarem reclusas em suas casas para reduzir a propagação deste novo coronavírus. Procedimento indesejável mas, necessário.
Para a preservação da saúde, as pessoas estão tendo que assim se comportar. Entretanto, esse período de reclusão não pode ser demasiado longo porque sem trabalho não se consegue sobreviver honestamente. Esta limitação pode deixar as pessoas angustiosas e ansiosas. Surgem inúmeros problemas financeiros que afeta toda a organização social. Não vivemos num país com regime em que todos são sustentados pelo governo. Se a dose de um remédio for muito elevada, o remédio vira veneno!
Assim como as empresas da área do comércio, as instituições educacionais que são prestadoras de serviço não conseguem sobreviver com receita muito reduzida a menos que reduza a qualidade de seus serviços. Estas instituições não conseguem manter contratados os seus professores e demais colaboradores que foram apurados no decurso do tempo, tendo em vista a qualidade. A perda destes profissionais selecionados trará sérios prejuízos na manutenção do serviço educacional.
Se as empresas do comércio e as instituições educacionais não cumprirem os compromissos assumidos, deixando de efetuar os devidos pagamentos a terceiros, os terceiros também terão dificuldades para se manterem. Os auxílios do governo são bem-vindos para que as instituições consigam ultrapassar o período transitório, sobrevivendo. Mas, são empréstimos, os quais deverão ser pagos posteriormente.
Como as dificuldades estarão presentes na maioria das atividades empresariais e sociais, certamente, haverá muitas frustações com consequências das mais diversas. Rogamos para que consigamos superar as dificuldades de modo controlado. Assim, precisamos proceder de modo que este período transitório não seja por demais longo.
Nesse período transitório, as instituições educacionais que possuem recursos tecnológicos e pessoal treinados para o uso de tecnologia, têm dado continuidade ao ensino presencial por meio das aulas online, alternativa que resta para não interrupção do ensino. É um meio de manter o contato dos professores com os alunos e de aproximar os Pais dos filhos, permitindo aos Pais um acompanhamento mais intenso das atividades escolares de seus filhos. Por outro lado, há Pais que não são muito afeto às tecnologias, dificultando este alinhamento. Mas, em momentos especiais, tempos de dificuldades criadas por um elemento invisível, temos todos que nos esforçar para superar as dificuldades, temos que ser resilientes.
As instituições educacionais têm outra opção além da manutenção do ensino online que é a da interrupção dos estudos nesse momento, antecipando as férias dos professores para o mês de abril, programada para o mês de julho.
Pela mais recente decisão sobre o ano letivo das escolas, válida numa circunstância especial como essa, as escolas podem deixar de cumprir a Lei de Diretrizes e Bases da Educação que exige 200 dias letivos por ano, mas conserva a quantidade mínima de 800h por ano. Se considerarmos 25 dias letivos por mês, em média, em 4 bimestres, 8 meses, teremos 200 dias letivos, de modo que a razão entre 800h por ano e 200 dias letivos resulta 4h por dia. Uma redução de dias letivos exige mais do que 4h por dia. Cada escola que terá que fazer os seus cálculos para se ajustar. Se o período de transição for muito longo, serão necessárias bem mais do que 4h por dia para se conseguir o mínimo de 800h por ano.
O Conselho Estadual de Educação de São Paulo é quem delibera sobre a Educação Básica das Instituições Particulares sediadas no Estado de São Paulo. Estabeleceu a possibilidade de cada escola de educação básica privada, com sede no estado de São Paulo, escolher uma das duas opções citadas (estudo online ou antecipação de férias).
Diante deste quadro, vamos todos, com muita responsabilidade, cuidar de nossa saúde e da população em geral esperando que este período transitório seja curto para que possamos atravessá-lo sem grandes traumas.

Prof. Dr. Farid Carvalho Mauad

Compartilhe: