Ir para o conteúdo

quarta-feira, 22 de setembro de 2021

Artigos

85 anos depois, 16 hóstias consagradas permanecem intactas

No último dia 16 de julho, festa de Nossa Senhora do Carmo, a Diocese de Getafe, em Madri, na Espanha, celebrou o 85º aniversário do milagre eucarístico que mantem 16 hóstias consagradas intactas desde a época da Guerra Civil espanhola.
No dia 16 de julho de 1936, um dia antes da eclosão da Guerra Civil espanhola, o padre Clemente Díaz Arévalo, pároco de Moraleja de Enmedio, em Madri, na Espanha, consagrou várias hóstias para a comunhão do povo na festa do Carmo. Com as hóstias que sobraram, ele deu a comunhão nos dias 17 e 18 de julho de 1936. Com a guerra, a igreja foi fechada.
No dia 21 de julho, o padre Dias recebeu a permissão para realizar um funeral e aproveitou a ocasião para retirar, escondido, as 24 hóstias restantes para a eventualidade de dar a comunhão a algum doente.
Por causa da Guerra Civil, o sacerdote teve que fugir da aldeia e deixou as sagradas hóstias aos cuidados de fiéis. O povo de Moraleja de Enmedio as guardou, adorando-as e defendendo-as de qualquer sacrilégio e profanação. As hóstias, inicialmente 24, foram escondidas na casa de Hilaria Sánchez, mullher do secretário municipal. Com medo de que a casa fosse revistada, as hóstias foram levadas para a casa de outra vizinha, Felipa Rodríguez, que as escondeu no subsolo de sua casa. Semanas depois, as hóstias foram levadas para a adega de Isabel Zazo onde ficaram mais de 70 dias enterradas a 30 centímetros de profundidade.
No final de outubro de 1936, as forças republicanas ordenaram a evacuação de Moraleja de Enmedio e os vizinhos obedeceram, não sem antes desenterrar o recipiente com as hóstias. Ao retirá-lo do buraco, os vizinhos viram como seu estado estava deteriorado pela humidade. Mas diante da necessidade de evacuar o povoado, eles procuraram outro lugar para esconder as hóstias. Escolheram um buraco na viga de uma adega.
Quando foi possível voltar para casa, viram que o recipiente continuava onde havia sido escondido, embora completamente enferrujado. Temendo que as sagradas hóstias tivessem sofrido danos, abriram-no e viram as 24 hóstias originais em perfeito estado de conservação. Elas foram transferidas para outro local da casa e vigiadas pelas mulheres da aldeia.
Quinze dias mais tarde, chegaram a Moraleja dois capelães militares que, informados do prodígio, levaram as hóstias em procissão da casa à escola. Uma missa foi celebrada e eles comungaram com duas delas, comprovando que seu sabor continuava bom, quatro meses depois de sua consagração.
Quando a Igreja foi reaberta e com a volta do pároco, as hóstias foram transferidas para o sacrário da paróquia de São Millán. Anteriormente, uma das hóstias foi dada para a comunhão de um doente.
Em 13 de novembro de 2013, as hóstias foram depositadas em um copo de vidro para que se possa vê-las e colocadas sobre o sacrário da igreja de São Millán.
Para as visitas episcopais que verificaram o estado das Sagradas Hóstias, outras cinco hóstias foram consumidas, restando atualmente 16 delas e alguns fragmentos.
Nos últimos 85 anos, a devoção do povo de Moraleja de Enmedio aumentou. Foram coletados testemunhos de pessoas que pediram que o prodígio fosse oficialmente reconhecido como um milagre eucarístico. Entre eles, destacam-se o testemunho da salvação de um bebê prematuro na Diocese de Getafe, que teve que ser operado dentro de uma incubadora. Na mesma região, uma menina que nasceria sem seus membros nasceu em ótimas condições.
As 16 hóstias consagradas permanecem intactas na igreja de São Millán. O pároco da igreja, padre Rafael de Tomás, afirmou que “o povo de Moraleja continua adorando-as com fé, agradecido pelo dom que Deus faz de si mesmo na Eucaristia, com a certeza e a confiança de que o Senhor cuida das suas vidas e da vida das suas famílias”.
Fonte: ACI Digital

Compartilhe: