Ir para o conteúdo

domingo, 29 de maio de 2022

Artigos

36 novos guardas suíços juram fidelidade ao Papa Francisco no Vaticano

Hoje, 36 novos guardas suíços prestam juramento de fidelidade ao Papa Francisco e à Igreja Católica no Vaticano. Depois de acontecer de modo privado por dois anos consecutivos por causa das medidas contra a pandemia de covid-19, este ano, o juramento dos recrutas terá a participação do público.
A solenidade será às 17h (12h no horário de Brasília) no Pátio de São Dâmaso, no Vaticano, no dia em que se recorda a morte de 189 soldados suíços em defesa do papa Clemente VII durante o Saque de Roma em 1527.
Vale ressaltar que, graças à Guarda Suíça, o papa Clemente VII conseguiu sair do Vaticano pelo Passetto di Borgo para chegar ao Castel Sant’Angelo. Em memória desse dia, os guardas juram defender o papa a ponto de dar a própria vida.
Este juramento é feito sobre a bandeira do Corpo da Guarda Suíça Pontifícia e na presença do representante do papa, dom Edgar Pena Parra.
“Juro servir com fidelidade, lealdade e honra o pontífice reinante e seus legítimos sucessores, dedicar-me a eles com todas as minhas forças, sacrificando se necessário minha vida em sua defesa. Assumo os mesmos deveres para o Colégio dos Cardeais durante a vacância da Sé Apostólica. Prometo também ao comandante e a outros superiores respeito, fidelidade e obediência. Assim eu juro, que Deus e nossos santos padroeiros me ajudem”, são as palavras que cada recruta diz ao jurar fidelidade ao papa.
O ato acontecerá após a celebração de uma missa no altar-mor da basílica de São Pedro, celebrada pelo cardeal Mauro Gambetti, arcipreste da basílica papal no Vaticano.
A Guarda Suíça é o corpo militar mais antigo do mundo, fundado pelo papa Júlio II em 1506. É responsável por proteger o sucessor de Pedro.
Atualmente, é dirigida pelo coronel Christoph Graf e seus guardas estão encarregados de vigiar os acessos ao território do Vaticano, desempenhar tarefas de manutenção da ordem e do protocolo durante as cerimônias papais e recepções de Estado. Eles também protegem o Colégio dos Cardeais durante a Sé Vacante, após a morte ou renúncia do papa.
Fonte: ACI Digital

Compartilhe: