Ir para o conteúdo

terça-feira, 05 de março de 2024

Artigos

15/09 – NOSSA SENHORA DAS DORES

(Sequência, Lecionário III, pp. 173/174)

 

De pé a Mãe dolorosa, junto da cruz, lacrimosa, via Jesus que pendia.
No coração transpassado sentia o gládio enterrado de uma cruel profecia.
Mãe entre todas bendita, do Filho único, aflita, à imensa dor assistia.
E, suspirando, chorava, e da cruz não se afastava, ao ver que o Filho morria.
Pobre mãe, tão desolada, ao vê-la assim transpassada, quem de dor não choraria?
Quem na terra há que resista, se a mãe assim se contrista ante uma tal agonia?
Para salvar sua gente, eis que seu Filho inocente suor e sangue vertia.
Na cruz por seu Pai chamando, vai a cabeça inclinando, enquanto escurece o dia.
Faze, ó Mãe, fonte de amor, que eu sinta em mim tua dor, para contigo chorar.
Faze arder meu coração, partilhar tua paixão e teu Jesus consolar.
Ó santa Mãe, por favor, faze que as chagas do amor em mim se venham gravar.
O que Jesus padeceu venha a sofrer também eu, causa de tanto penar.
Ó dá-me, enquanto viver, com Jesus Cristo sofrer, contigo sempre chorar!
Quero ficar junto à cruz, velar contigo a Jesus, e o teu pranto enxugar.
Virgem Mãe tão santa e pura, vendo eu a tua amargura, possa contigo chorar.
Que do Cristo eu traga a morte, sua paixão me conforte, sua cruz possa abraçar!
Em sangue as chagas me lavem e no meu peito se gravem, para não mais se apagar.
No julgamento consegue que às chamas não seja entregue quem soube em ti se abrigar.
Que a santa cruz me proteja, que eu vença a dura peleja, possa do mal triunfar! Vindo, ó Jesus, minha hora, por essas dores de agora, no céu mereça um lugar.

Compartilhe: